Conto, Literatura

“Devo, não nego”- o fragmento de um conto

João acordou pouco antes das 10h com a campainha tocando. Pelo olho mágico viu que era um oficial de justiça executando a cobrança do aluguel seis meses atrasado. “Droga, antes do café-da-manhã!”, pensou enquanto tirava a corrente de segurança e destrancava a porta. Depois de assinar o comprovante de recebimento, pegou o envelope e o deixou cuidadosamente ao lado de outros envelopes de conteúdo semelhante. Um do cartão de crédito, outro do banco cobrando “juros abusivos” pelo cheque especial. O envelope por cima de todos na pilha era um ofício chamando-o para a audiência de conciliação com a ex-mulher. “Pensão alimentícia dá cadeia…”, coçava a cabeça enquanto catava no armário o café e o coador. “Nada de pensar em problemas antes do café da manhã”… Mas ele pensava. Impossível não pensar com a chuva de envelopes se acumulando sobre a estante da sala. “O problema – concluía João enquanto jogava colheradas de café no coador – é que tia Otaviana me deserdou. Logo eu, que era seu sobrinho favorito”…

Advertisements

1 thought on ““Devo, não nego”- o fragmento de um conto”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s