Resenha: Por boas razões ninguém vem parar aqui

Políticos maus vão para o inferno e os bons, quase não existem... Mais um livro de Mello para meu modesto acervo (Foto: Andreia Santana/@blogmardehistorias) Uma viagem só de ida para o Inferno de Dante. Ou, para quem prefere uma referência mais pop, uma estadia eterna em The Good Place, a série da Netflix onde a … Continuar a ler Resenha: Por boas razões ninguém vem parar aqui

Advertisement

Resenha: Sete dias em Setembro

Sobre heróis anônimos, estradas poeirentas e liberdade Sete dias em setembro é o 6º livro de Victor Mascarenhas, o 1º no gênero romance histórico (Foto: Andreia Santana/@blogmardehistorias) A estreia de Victor Mascarenhas na autoria de romances históricos é uma perfeita demonstração de que o gênero não precisa ser pesado no sentido literal e muito menos … Continuar a ler Resenha: Sete dias em Setembro

Resenha: O homem da areia

Herança de traumas infantis Adultos costumam assustar crianças. Pela altura e força, possibilidade das broncas e, obviamente, a distribuição de castigos. Se nos tempos atuais a truculência de muita gente grande gera traumas que as crianças carregam para a vida, nos séculos XVIII ou XIX, quando o próprio conceito de infância mal existia, e muito … Continuar a ler Resenha: O homem da areia

Resenha: A caçadora de árvores

...Era uma vez uma árvore Samaa tem quase 13 anos e nunca viu uma árvore de pé. Tudo o que a sua vista alcança, no assentamento onde vive com a família, é árido, esturricado, desolado. Boa parte do planeta é assim, pois o deserto avança inclemente sobre os últimos sobreviventes da espécie humana, herdeiros da … Continuar a ler Resenha: A caçadora de árvores

Resenha: Bartleby – o escriturário

Herman Melville previu a Síndrome de Bournout A recusa de Bartleby em executar as tarefas que seu chefe esperava dele quando o contratou, a princípio parece um ato de desobediência civil. Mas é cansaço. Com Bartleby - O escriturário [em algumas traduções, o escrivão], Herman Melville antecipa a Síndrome de Bournout, a fadiga crônica, o … Continuar a ler Resenha: Bartleby – o escriturário

Resenha: O homem ilustrado

Os terráqueos são os piores ‘monstros ‘ do espaço “Minhas canções e coreografias estão aqui. Elas preencheram meus anos, os anos em que me recusei a morrer. E para isso eu escrevi, escrevi e escrevi, fosse meio-dia ou três da manhã. Para não estar morto” (Ray Bradbury no prefácio de O homem ilustrado) A primeira … Continuar a ler Resenha: O homem ilustrado

Resenha: Terra Americana

‘Correr é meu destino, para burlar a lei’ Clandestino, de Mano Chao, traduz a sina do imigrante que precisa sair do país de origem para tentar reconstruir a própria vida em outras paragens. A letra mostra o anseio dos desterrados por ‘el norte’ (o norte, em referência tanto aos Estados Unidos quanto ao Hemisfério Norte, … Continuar a ler Resenha: Terra Americana

Resenha: O castelo de Otranto

‘O ciúme lançou sua flecha’ Um príncipe rigoroso com os súditos, os servos e a própria família. Orgulhoso das insígnias dos antepassados, sempre pronto a empunhar a espada em defensa das suas terras... Um feudo da Itália medieval é o cenário onde o aristocrata britânico Horace Walpole, quarto conde de Orford, desenvolve o que chamou … Continuar a ler Resenha: O castelo de Otranto

Resenha: Deixa ela entrar

'O som e a fúria' de Lindqvist Uma criança vampira vaga solitária pelo mundo, dependendo da ajuda de adultos quebrados e moralmente duvidosos para conseguir sangue, que como bem diz o conde Drácula, “é vida”. Uma criança humana solitária vaga pela escola e sua vizinhança, fugindo da violência de outras crianças que aprendem desde cedo … Continuar a ler Resenha: Deixa ela entrar

Resenha: As garotas madalenas

Madalenas em um dos asilos da Irlanda, no início do século XX (Foto: Pinterest) “Em nome do amor, o que mais em nome do amor?” A pergunta de Bono em Pride (In the nome of love), uma das canções mais famosas da banda irlandesa U2, é uma metáfora sobre as religiões e o quanto, ao … Continuar a ler Resenha: As garotas madalenas