Literatura, Resenhas

Resenha (ou quase isso): Laranja Mecânica

Uma catarse tão profunda quanto a Nona Sinfonia Laranja Mecânica é um soco na cara. Um corte profundo de uma navalha afiada. É sangue no olho... Enquanto lia o livro, marcava na rede de bibliófilos Skoob o andamento da minha leitura. Geralmente, apenas marco as páginas lidas, sem comentários prévios, sem dar notas (no caso… Continue reading Resenha (ou quase isso): Laranja Mecânica

Bala no Alvo, Crônicas

(Im)paciente Crônica: Não há nada de ‘novo’ ou de ‘normal’ em sobreviver minimamente sã

Pipocam na minha caixa de entrada e-mails de publicidade de lojas divulgando máscaras de proteção de variadas cores e estampas. Essas da foto, ganhei de presente em duas ocasiões diferentes da mesma pandemia nossa de cada dia. A gente se adapta, mas isso não é 'normal'. Tampouco é 'nova' a capacidade do ser humano de… Continue reading (Im)paciente Crônica: Não há nada de ‘novo’ ou de ‘normal’ em sobreviver minimamente sã

Literatura, Resenhas

Resenha: O mundo perdido

Quando os dinossauros viraram deuses Lançado em 1912, O mundo perdido é um clássico de aventura que mistura elementos caros aos apaixonados pelo gênero: diversos perigos que precisam ser superados, doses de humor, pitadas de um romance que parece impossível, diálogos pontuados por ironia e uma narração ágil e que prende da primeira à última… Continue reading Resenha: O mundo perdido

Aventura, Literatura, Resenhas

Resenha: Tupinilândia

Sobre memória afetiva, história e a capacidade de rir da própria miséria Tupinilândia é uma colagem de referências culturais, históricas e afetivas. Para aqueles leitores que já chegaram ou estão próximos dos 40 anos, o livro é um deleite e uma forma divertida de revisitar o passado com um olhar mais crítico e, ao mesmo… Continue reading Resenha: Tupinilândia

Literatura, Resenhas

Resenha: A varanda do frangipani (Mia Couto)

A alma se parte em duas de tanta beleza e tanta tristeza com a leitura de A varanda do frangipani, romance de Mia Couto ambientado no período logo depois da independência de Moçambique, a terra natal do autor. O cenário é a fortaleza de São Nicolau, onde funciona um asilo de idosos.  Quem narra a… Continue reading Resenha: A varanda do frangipani (Mia Couto)

Literatura, Resenhas

Resenha: O som do tempo passando (Victor Mascarenhas)

A voz de Renato Russo cantando ‘Quase sem querer’ grudou feito chiclete na minha memória logo nas primeiras páginas de O som do tempo passando, romance de Victor Mascarenhas lançado pelo selo Cafeína Produção de Conteúdo, criado pelo próprio autor. Colaram-se em mim feito segunda pele a melodia e a letra, que me espantei ao… Continue reading Resenha: O som do tempo passando (Victor Mascarenhas)

Literatura, Resenhas

Resenha: Não encontrei o passado, tenho que voltar (José Carlos Mello)

Quanto mais velhos, mais o passado assombra a memória. E quando o novelo dos tempos idos é desfiado com a ajuda de um amigo que já morreu, fica a incômoda sensação de que as lembranças trazem seu quinhão de acerto de contas. E é para acertar as contas com as sequelas da infância que o… Continue reading Resenha: Não encontrei o passado, tenho que voltar (José Carlos Mello)

Literatura, Resenhas

Resenha: O demônio do meio-dia

Nomear o mal para assim, conhecendo-o, poder lutar contra ele. O demônio do meio-dia: uma anatomia da depressão, de Andrew Solomon (Companhia das Letras, 2014), não só batiza, como faz a autópsia de um dos males mais cruéis e, ainda hoje, incompreendidos, embora a notificação de casos venha aumentando no rastro da busca cada vez… Continue reading Resenha: O demônio do meio-dia

Literatura, Resenhas

Resenha: Mônica vai jantar

Mônica está presa em um looping. E o que torna a protagonista do novo livro de Davi Boaventura, Mônica vai jantar (Não editora) tão real, é que a maioria das mulheres, pelo menos em alguma fase da vida, também já esteve presa em um looping, Seja provocado por relacionamentos tóxicos, crises profissionais ou estresses familiares.… Continue reading Resenha: Mônica vai jantar

Crônicas

(Im)paciente Crônica: Parem ‘1984’ que eu quero descer…

O mundo respira ares de Idade Média e o obscurantismo domina o que antes era busca por conhecimento. No Brasil, nas universidades federais, bolsas de pesquisa são cortadas porque a prioridade do atual governo não é a educação, o avanço da ciência ou o estímulo ao pensamento crítico e criativo que fazem as sociedades evoluírem.… Continue reading (Im)paciente Crônica: Parem ‘1984’ que eu quero descer…