Conto, Literatura

Mínimos contos

Maria acordou decidida a abrir mão de várias coisas que lhe pesavam na alma. Também chegou à conclusão de que havia pessoas pelas quais não valia a pena lutar e que, certas ideias, merecem ser defendidas até a morte. Não, Maria não queria morrer. Apesar dos primeiros fios de cabelo branco e das bolsinhas embaixo dos olhos, ela ainda tinha força suficiente para caminhar mais um pouco…

Maria sabia que não era nem um pouco fácil viver neste mundo ingrato, mas fazer o quê? Ela amava a vida com tanta intensidade que às vezes ficava deprimida. Mas as tristezas de Maria eram como chuva de verão, bastava uma delicada variação na luz do dia, um raio amarelo insinuar-se por detrás de uma nesga de nuvem, e ela voltava a acreditar. Não era ingênua, mas humana.

Anúncios

2 thoughts on “Mínimos contos”

  1. O que mais me fascina na vida é que a gente aprende vivendo, querendo ou não… Talvez seja uma das poucas circunstâncias em que o aprendizado nos invade sem bater na porta e sem convite, dia-a-dia…
    Alane

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s