Geral, Literatura, Resenhas

Resenha: As Pequenas Memórias (José Saramago)

As memórias de todos os avós quando foram miúdos

O que há de tão especial nas lembranças de infância de José Saramago é que, lendo As Pequenas Memórias, lembrei muito dos causos que minha avó, também criada em uma zona rural, contava. Essa familiaridade provocada pela narrativa de um homem idoso que revive a infância e a adolescência numa grande crônica do cotidiano do começo do século XX é o trunfo do livro.

Saramago, com a sinceridade que sempre foi peculiar às suas obras e personalidade, dialoga com a sua versão miúda e com as reminiscências familiares dos leitores. E quem não tem ou teve um avô ou avó que gostava de enumerar as travessuras da meninice, com as respectivas broncas que levavam de pais e professores?

As Pequenas Memórias não seguem uma ordem cronológica precisa e a graça está justamente nisso. São retalhos daquilo que ficou retido na lembrança do escritor, como os fragmentos de um sonho. Por causa dessa característica, o livrinho de pouco menos de 150 páginas é uma bela poesia em prosa sobre a infância, o tempo e o envelhecimento.

Muito menos filosófico do que em suas obras anteriores e sem fazer tantas das suas deliciosas digressões, Saramago tece o panorama não apenas da sua época de criança, mas de toda uma geração. Impossível ler sem identificar uma espécie de sabedoria universal que pertence a todos os idosos. Sabedoria essa que é bem menos acadêmica e intelectual e muito mais natural, inerente à condição humana e portanto, orgânica.

As Pequenas Memórias, como libelo à infância, é ainda uma perfeita homenagem ao ato de brincar com liberdade e também de amadurecer no tempo certo, sem acelerar a colheita. Ao mostrar as bases de sua formação escolar e moral, principalmente a rigidez de caráter que aprendeu dos avós, José Saramago, sem se deixar levar pelo lado negativo da nostalgia, não hesita em traçar paralelos entre a infância moralmente vigiada e até meio reprimida, mas livre para flanar pelos pastos, de seu tempo; com essa de agora, sem rédeas morais ou regras, precocemente envelhecida e quase sempre totalmente confinada em quatro paredes pela violência urbana e excesso de tecnologia.

O autor no entanto, não demarca essas diferenças de forma ranzinza, mas com enorme ludicidade, fazendo-nos rir de seu assombro diante dos espetáculos da natureza.

Um Saramago doce e saudoso, sem dúvida, é o que nos apresenta este livro. Mas um homem realizado e feliz por ter vivido – e muito bem – um tempo de belezas sutis.

Ficha Técnica:

As Pequenas Memórias

Autor: José Saramago

Editora: Companhia das Letras

144 páginas

R$ 39,90 em média

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s