Literatura, Resenhas

Resenha: A varanda do frangipani (Mia Couto)

A alma se parte em duas de tanta beleza e tanta tristeza com a leitura de A varanda do frangipani, romance de Mia Couto ambientado no período logo depois da independência de Moçambique, a terra natal do autor. O cenário é a fortaleza de São Nicolau, onde funciona um asilo de idosos.  Quem narra a… Continue reading Resenha: A varanda do frangipani (Mia Couto)

Literatura, Resenhas

Resenha: O som do tempo passando (Victor Mascarenhas)

A voz de Renato Russo cantando ‘Quase sem querer’ grudou feito chiclete na minha memória logo nas primeiras páginas de O som do tempo passando, romance de Victor Mascarenhas lançado pelo selo Cafeína Produção de Conteúdo, criado pelo próprio autor. Colaram-se em mim feito segunda pele a melodia e a letra, que me espantei ao… Continue reading Resenha: O som do tempo passando (Victor Mascarenhas)

Literatura, Resenhas

Resenha: Não encontrei o passado, tenho que voltar (José Carlos Mello)

Quanto mais velhos, mais o passado assombra a memória. E quando o novelo dos tempos idos é desfiado com a ajuda de um amigo que já morreu, fica a incômoda sensação de que as lembranças trazem seu quinhão de acerto de contas. E é para acertar as contas com as sequelas da infância que o… Continue reading Resenha: Não encontrei o passado, tenho que voltar (José Carlos Mello)

Literatura, Resenhas

Resenha: O demônio do meio-dia

Nomear o mal para assim, conhecendo-o, poder lutar contra ele. O demônio do meio-dia: uma anatomia da depressão, de Andrew Solomon (Companhia das Letras, 2014), não só batiza, como faz a autópsia de um dos males mais cruéis e, ainda hoje, incompreendidos, embora a notificação de casos venha aumentando no rastro da busca cada vez… Continue reading Resenha: O demônio do meio-dia

Literatura, Resenhas

Resenha: Mônica vai jantar

Mônica está presa em um looping. E o que torna a protagonista do novo livro de Davi Boaventura, Mônica vai jantar (Não editora) tão real, é que a maioria das mulheres, pelo menos em alguma fase da vida, também já esteve presa em um looping, Seja provocado por relacionamentos tóxicos, crises profissionais ou estresses familiares.… Continue reading Resenha: Mônica vai jantar

Literatura, Resenhas

Resenha: Harry Potter e a Criança Amaldiçoada

Harry Potter e a Criança Amaldiçoada não é um livro convencional, mas o roteiro de uma peça de teatro. Como roteiro, deve ser bem mais interessante de ver no palco ou mesmo em versão cinematográfica (o que, inclusive, foi desmentido por J. K. Rowling em 2017, pouco depois do roteiro da peça ser publicado). É… Continue reading Resenha: Harry Potter e a Criança Amaldiçoada

Literatura, Resenhas

Resenha: O Diamante de Jerusalém

Noah Gordon é um autor sinestésico. Daqueles capazes de desenhar as cenas na mente do leitor com suas palavras, que fluem em uma leitura que desliza macia e avança centenas de páginas sem que a gente se dê conta. Um pouco dessa capacidade de Gordon, exímio contador de histórias, está presente em O Diamante de… Continue reading Resenha: O Diamante de Jerusalém

História, Literatura, Resenhas

Resenha: Muitas línguas, uma língua…

O português falado no Brasil, tão peculiar em comparação com o modo de falar europeu e dos demais países lusófonos, embora tenha muita mistura, não foi uma língua consolidada pacificamente. Ao menos essa é a conclusão da leitura de Muitas línguas, uma língua: A trajetória do português do Brasil, obra do escritor e filólogo Domício… Continue reading Resenha: Muitas línguas, uma língua…

Literatura, Resenhas

Resenha: Sapiens (Yuval Noah Harari)

Sapiens - uma breve história da humanidade, embora traga ‘breve’ no nome, não significa superficialidade no relato. O que menos importa é cada fato em si, registrado ao longo da História, mas todo o contexto social, cultural, biológico e ambiental que fez da humanidade o que ela é e fez a História evoluir pelos caminhos… Continue reading Resenha: Sapiens (Yuval Noah Harari)

Literatura, Resenhas

Resenha: Fordlândia (Greg Grandin)

A cena do Vagabundo sendo engolido pelas engrenagens de uma super máquina, em uma linha de montagem fabril, é de 1936, mas ainda serve de metáfora para definir o capitalismo devorador e o consumo predatório que exigia cada vez mais indústrias para alimentá-lo. Da mesma forma, Admirável Mundo Novo, romance de 1931 de Aldous Huxley,… Continue reading Resenha: Fordlândia (Greg Grandin)