Autores, Dicas de leitura, Literatura, Resenhas

Resenha: Ilha do Medo

Ainda não vi o filme de Scorcese, mas o livro que deu origem ao filme é muito bom. Mais uma descoberta literária de férias: Ilha do Medo. Eis a resenha para os interessados e fiéis leitores. Também publiquei lá no Skoob, onde uso o pseudônimo favorito de Violet Baudelaire. Revelar pseudônimos tira toda a graça, mas é que teve gente me perguntando se uma tal de Violet andava “roubando” minhas resenhas (rsrsrsrs). Nada de plágios, roubos ou cópias, Violet Baudelaire e Andreia Santana são exatamente a mesma criatura. Bem, não exatamente a mesma, digamos que é meu alter-ego, senão não teria graça adotar um pseudônimo. Para quem não sabe, Violet é uma das personagens da obra infanto-juvenil Desventuras em Série. Mas vamos à resenha de Ilha do Medo

Thriller policial sobre a loucura

Andreia Santana

Ilha do Medo tornou-se mais conhecido no Brasil após o lançamento do filme homônimo de Martin Scorcese, no começo do ano. Os fãs da literatura policial de suspense, no entanto, já são leitores antigos da obra, publicada originalmente com o nome Paciente 67. O livro de Dennis Lehane, autor também de Sobre Meninos e Lobos (igualmente adaptado para o cinema, por Clint Eastwood), porém, não é só um thriller policial. Trata-se de um suspense psicológico muito bem construído. O tema central é a loucura em seu desenvolvimento mais dramático, a paranoia.

A história começa quando o detetive Teddy Daniels, do FBI, e seu parceiro Chuck são chamados a um manicômio judiciário para investigar o misterioso desaparecimento de Rachel, mulher que cumpre pena no local após ter assassinado os filhos pequenos durante um surto psicótico. Rachel sumiu do complexo de segurança máxima sem deixar rastros. Detalhe: o manicômio fica no centro de uma ilha de onde é impossível escapar.

Os dois detetives, ao chegarem à ilha, pouco antes de desabar a maior tempestade de todos os tempos naquela região, acabam se deparando com diversas situações ambíguas que os levam a desconfiar que o hospital psiquiátrico realiza experiências científicas ilegais com os criminosos/pacientes. A ilha é lúgubre, os detetives sentem-se desconfortáveis no local e o medo se insinua e só faz crescer daí para a frente, com consequências desastrosas.

Cena de Ilha do Medo, filme de Martin Scorcese inspirado em romance policial de Dennis Lehane. Leonardo Di Caprio vive o protagonista Teddy Daniels e Mark Ruffalo faz o parceiro, detetive Chuck Aule

Por se tratar de uma obra de mistério e suspense, fica impossível adiantar mais alguma coisa da sinopse sem entregar “o ouro ao bandido”. Basta vocês saberem que o autor brinca o tempo todo com o leitor, como numa caçada de gato e rato, onde verdades, mentiras, loucura e sanidade, medo e atos heroicos confrontam-se, flertam e substituem-se numa velocidade delirante.

Na ilha, Teddy Daniels precisa confrontar os fantasmas do seu passado, ao mesmo tempo em que tenta manter a cabeça no lugar e não se deixar envolver pelas paranoias dos pacientes. Mas, nem tudo na vida – e na mente – do detetive parece ser o que é.

Ilha do Medo é um livro que me lembra uma grande casa de espelhos, daquelas de parque que aparecem nos filmes de terror, onde ao entrar, o espectador precisa encarar-se de diversas formas, sob ângulos que ora o colocam muito bem na fita e ora o deformam de tal maneira que a sensação é de ter-se libertado algum tipo de demônio profundo e obscuro, lá do fundo do inconsciente. Teddy, na ilha, é levado a situações extremas e toma medidas extremas. Mas, tudo pode também não passar de delírio.

Bem costurado, claustrofóbico e envolvente, o livro é dos tais que não conseguimos largar até chegar ao final e desvendar os segredos da ilha prisão. O desfecho é inesperado e o clímax cresce ao longo das páginas, com eficiência precisa, como convém a um bom livro de mistérios e suspense. Se por um lado usa os clichês do gênero policial, por outro, transforma os lugares-comuns de forma criativa, numa demonstração de que podemos sim ouvir a mesma história diversas vezes, desde que ela seja contada de maneiras diferentes e com um envolvimento que nos crie a ilusão de ser algo totalmente novo.

Ficha técnica:

Ilha do Medo

Autor: Dennis Lehane

Tradução: Luciano Machado

Editora: Companhia das Letras

Preço:  em média R$ 34,00

Anúncios

3 thoughts on “Resenha: Ilha do Medo”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s