Resenha: A capital

A capital é considerado o romance mais autobiográfico de Eça de Queiróz, com um protagonista que assume papel de alterego do escritor. É uma obra menos badalada do autor português. Começou a ser escrita em 1877, mas só foi publicada em 1925, mais de 20 anos depois de sua morte, com a supervisão de um dos seus filhos. 

O livro conta a história de Artur Corvelo, um jovem poeta aspirante ao estrelato e que vive com as tias idosas em uma província no interior de Portugal, mas anseia morar em Lisboa, na capital, onde acredita que seu ‘gênio’ irá conquistar os salões aristocráticos e lhe garantir fama, fortuna e uma boa posição social. 

Só que o jovem poeta é um protagonista molenga e boboca, cheio de um romantismo piegas e com aspirações de alcançar uma grandeza que ele tem bastante preguiça de conquistar.

Como um patinho feio, o rapaz deseja encontrar seu lugar no mundo mas, por ser muito ingênuo e totalmente destituído de malícia, sofre incontáveis decepções no decorrer da história. A natureza acomodada de Artur impede que ele se defenda dos aproveitadores que cruzam seu caminho. A sua ‘jornada do herói’ é totalmente às avessas. 

A indolência do protagonista faz com que o leitor acompanhe o deambular de Artur pela vida com uma certa angústia. Ele anseia por ascender às classes mais abastadas e conquistar reconhecimento intelectual, mas Eça de Queiroz faz desse desejo uma quimera. A partir da passividade de Artur diante das circunstâncias, o autor critica a sociedade burguesa lisboeta e a aristocracia semi-falida, entediada e hedonista que frequentava cafés e teatros na cidade, tentando imitar os trejeitos da belle époque parisiense. Lisboa seria um rascunho, um carbono meio desbotado do desenho original, a efervescente Paris dos anos 1800.

Artur não tem traquejo social, é um jovem provinciano e até meio caricato. O universo dos ricos comensais, das anfitriãs de sobrenome antigo, mas pouca prata, e da ‘rapaziada’ boêmia que anima os bordéis meio decadentes de Lisboa lhe causa fascínio e estranheza ao mesmo tempo. Aceito nas rodas da high society mais por interesse dos nobres falidos em explorar sua gorda herança do que por seus dotes literários, ele vai sendo conduzido ao longo da história pela lábia e pelos caprichos de seus novos amigos da capital.

Um romance firmemente ancorado na crônica de costumes, A Capital apresenta outros personagens bastante pitorescos que gravitam em torno de Artur Corvelo. No interior, há as tias religiosas que enchem o padre guloso do vilarejo de comidinha farta e caseira; o ex-boêmio que gastou tudo o que tinha e, nomeado para um cargo público por influência de amigos, passa mais horas no boteco da província inventando lorotas sobre seus tempos áureos do que na repartição; a família de comercial de margarina do farmacêutico; o velho militar aposentado e meio lunático; o homem mais rico da vila com sua filha, a beldade casadoira e inacessível; e a prima solteirona que arrasta uma asa platônica para Artur. 

No cenário da cidade grande, há a baronesa misteriosa por quem o poeta se apaixona e é casada com um homem anos mais velho; o jornalista com ares de cafetão que arrasta o moço incauto do interior para a vida boêmia; o janota que vive de aplicar pequenos golpes, mas têm uma vasta rede de conhecidos entre a nobreza da cidade; as prostitutas de luxo que são mantidas por seu amantes em hotéis caros e, claro, os funcionários alcoviteiros desses hotéis.

A prosa queirosiana – e para mim foi uma grata surpresa redescobrir esse autor – é pontuada por muita ironia e sarcasmo. O próprio Artur, apesar de deslumbrado, tem uma certa autocrítica e é dotado de um senso de humor auto-depreciativo que diverte e, ao mesmo tempo, irrita e provoca o leitor.

O exemplar que eu li:

Eça de Queiroz entrou na minha vida ainda na adolescência, a partir de O primo Basílio, um de seus romances mais famosos, que eu abandonei depois de 50 páginas porque achei maçante (escrevi sobre isso aqui). Jamais consegui retomar essa leitura. É o único livro que já abandonei em uma vida de quase quatro décadas de leituras. Tinha uma birra enorme com o autor de Os maias, A cidade e as serras, e de A ilustre casa de Ramires (que já estão todos na minha lista de leituras futuras). Fiz as pazes com Eça a partir de A Capital, que foi uma indicação meio por acaso que recebi do Skeelo, um serviço de streaming de livros que assino. Li a versão em e-book da edição de 2006, da Editora Globo.

Edição de 2006 da Editora Globo
(Divulgação)

Ficha Técnica:

A Capital

Autor: Eça de Queiroz

Editora: Globo

426 páginas

R$ 35,00*

*Pesquisado na Estante Virtual em 25/10/2021

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s