Coleção da Autêntica publica no Brasil livros que inspiraram clássicos de Hitchcock

A dica veio da minha irmã: “A Autêntica está lançando os romances que inspiraram filmes de Alfred Hitchcock”. Fui em busca de mais informações e é coisa linda dos deuses!

O selo Vestígio, do Grupo Editorial Autêntica, lançou logo de uma vez dois volumes da Coleção Hitchcock: A Dama Oculta, de Ethel Lina White, livro homônimo ao filme de 1938; e Vertigo, de Pierre Boileau e Thomas Narcejac, romance de 1954 que originou, em 1958, Um corpo que cai, um dos filmes que se destacam na fase norte-americana do diretor. Hitch (para os íntimos) era britânico e antes de migrar para Hollywood, teve uma prolífica carreira na terra natal.

Essa coleção da Autêntica tem o objetivo de publicar obras que inspiraram as produções mais famosas do “mestre do suspense”. E Hitchcock bebeu bastante na fonte da literatura. Outros filmes seus foram inspirados em romances policiais ou sobrenaturais, como: Os pássaros, Janela Indiscreta, Pacto Sinistro, Rebecca, a mulher inesquecível, Psicose e Topázio. A coleção terá bastante fôlego se depender da extensa filmografia do diretor.

Cena de Um corpo que cai (Vertigo), com Kim Novak e James Stewart

Cena de Um corpo que cai (Vertigo), com Kim Novak e James Stewart

Não espere, porém, encontrar uma adaptação literal desses livros nos filmes de Alfred Hitchcock. O método dele era escolher romances que eram populares – alguns bem famosos e outros, nem tanto – entre leitores da chamada pulp fiction, extrair do romance a essência e a partir daí, construir uma história nova.

No livro de Sidney Gotlieb, Hitchcock por Hitchcock, que reúne entrevistas do diretor, é contado que os roteiristas dos sucessos dele, na verdade, se inspiravam livremente nas obras originais e misturavam fatos dos romances com os delírios e paranoias do diretor.

Hitchcock era compulsivo e acompanhava todos os detalhes de suas produções, do roteiro às campanhas de lançamento, usando e abusando de mensagens subliminares, trilha sonora e construções narrativas que moldavam a percepção da plateia ao seu prazer.

Cena de A dama oculta com Michael Redgrave, Margareth Lockwood e Paul Lukas

Cena de A dama oculta com Michael Redgrave, Margareth Lockwood e Paul Lukas

Tudo o que ele lançava era avidamente consumido por um público sedento de sangue e mistérios. Os autores dos livros originais também capitalizavam com a fama dos filmes,  tanto que Boileau e Narcejac escreveram Vertigo especialmente para Hitchcock adaptar.

Além disso, com muitos traumas e neuroses para resolver (desculpa Woody Allen, mas ele foi pioneiro nisso também!) Hitchcock pode ser considerado um dos mais freudianos realizadores da indústria do cinema e por isso sua obra permanece tão atual.

Os monstros que assombram a psique são atemporais. Hitchcock elevou a arte cinematográfica a um imenso e catártico divã coletivo.

Sobre os lançamentos do selo Vestígio

Vertigo tem como cenário a Paris da II Guerra Mundial. O detetive particular Flavières é contratado por Gévigne para descobrir os mistérios que cercam sua bela, jovem e atormentada esposa, Madeleine. A adaptação para o cinema foi feita por Alec Coppel e Samuel A. Taylor.  Já A dama oculta é uma novela com atmosfera sinistra e perturbadora. O livro já havia sido adaptado por outro diretor, o irlândes Roy William Neill, mas o resultado não agradou. Um ano depois, o projeto chegou às mãos de Hitchcock e o resultado da adaptação do “mestre do suspense” foi o filme homônimo, considerado um dos melhores do período britânico do cineasta.

Sobre os autores

Pierre Boileau (1906-1989) e Thomas Narcejac (1908-1998) eram aficionados por literatura policial e autores de romances de aventura. Os dois se conheceram e decidiram se associar em 1948. Enquanto Boileau construia a intriga, Narcejac redigia, dava corpo e estabelecia o texto definitivo. Já Ethel Lina White nasceu em 1876 e era conterrânea de Hitchcock. Na juventude, ela trabalhava para o governo, em Londres, e em 1920, começou a escrever romances. Nos anos 30, Lina White passou a dedicar-se exclusivamente aos gêneros thriller e mistério, que a tornaram uma autora bastante popular na Grã-Bretanha.

Fichas Técnicas:

vertigoVertigo (Um corpo que cai)

Autores: Pierre Bouileau e Thomas Narcejac

Tradução: Fernando Scheibe

Editora: Vestígio / Grupo Editorial Autêntica

192 páginas / R$ 44,90

 
damaThe Wheel Spins (traduzido no Brasil como A dama oculta)

Autora: Ethel Lina White

Tradução:  Rogério Bettoni

Editora: Vestígio / Grupo Editorial Autêntica

272 páginas / R$ 44,90

 

*Sinopses dos livros, mini biografia dos autores e fichas técnicas, escritos com base no press kit de divulgação da Coleção Hitchcock, do Grupo Editorial Autêntica. Informações complementares sobre Hitchcock retiradas do meu projeto de graduação A obsessão do mestre: O espectador na obra de Alfred Hitchcock, escrito em 1998, para minha graduação em Comunicação Social / Jornalismo, pela UFBA.

Sobre Andreia Santana

Nasci em Salvador-BA, tenho 42 anos, sou jornalista e master em jornalismo on line, traça de biblioteca, cinéfila, pesquisadora de literatura e redes sociais, aspirante a encantadora de palavras, vaidosa, comilona, solteira e mãe de Matheus, uma pessoa fascinante.
Esta entrada foi publicada em Literatura com as etiquetas , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

3 respostas a Coleção da Autêntica publica no Brasil livros que inspiraram clássicos de Hitchcock

  1. mariel diz:

    Vou ter que ler

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s