Conto, Literatura, Resenhas

Resenha: Um certo mal-estar (Victor Mascarenhas)

Requiém para os sonhos partidos da geração x

O antiácido dissolvendo na capa de Um certo mal-estar, terceiro livro de contos do baiano Victor Mascarenhas, autor também do romance Xing Ling – Made in China, já dá ao leitor a ideia de que nem com um Engov, ou com aquela cerveja da propaganda, os contos reunidos no livro descerão redondos. O volume traz histórias que dão conta dos desencantos da geração x. Mas, como rir da própria miséria se faz necessário nesse palco improvisado e meio mambembe da vida, as desditas dos personagens, ao mesmo tempo em que provocam azia no leitor, demonstram o quão patética pode ser a existência.

São 13 contos para ler de um só fôlego, com narrativa ágil, bem construída e vertiginosa. O sentimento do leitor fica dividido entre a empatia de identificar referências culturais próprias dessa turma que está próxima ou passou um pouco dos 40, o que traz certa nostalgia; e o incômodo gerado pela certeza de que, de fato, os punks de outrora, libertários, iconoclastas e incendiários, envelheceram nem sempre muito bem.

punks

Logo na abertura, a primeira história, Invertebrado,  flerta com Kafka e transforma um ex-jovem cheio de sonhos, em um simples funcionário de escritório de contabilidade, desiludido com os rumos da própria vida e naquele estágio da existência de tamanha resignação que o leitor até suspira um “bem-feito” com o desfecho que aguarda o personagem, que “não deu para nada” na vida, nem para um Gregor Samsa decente!

Na sequência, o comovente e tragicômico Fim de jogo conta a história de um jogador de futebol em fim de carreira às voltas com um dilema existencial e ético; enquanto o divertido Bomba de efeito moral, embora mais politizado, tira um sarro com os black blocks. Mais interessante é o cenário de ares coloniais da Praça Municipal emoldurando o dilema do protagonista, que se mete em um grupo supostamente engajado apenas porque quer transar com uma das “guerrilheiras”.

O noir Blue Moon é inspirado naquela boemia meio marginal e esfumaçada dos filmes policiais sobre tramas envolvendo alianças improváveis de mafiosos e policiais corruptos, com um desfecho a la Tim Burton e seu Sweeney Todd. Já Ela, mantém esse mesmo clima noir para reeditar o mito da femme fatale. Mas dessa vez transpondo a narrativa para um cenário que lembra o Porto da Barra das madrugadas de insônia. Interessante notar que apesar da atmosfera vamp, a história não perde aquele toque meio ingênuo que lembra bastante a música Menina Veneno, de Ritchie, ou Garotos II, de Leoni, trilhas sonoras que certamente embalaram a puberdade e a  juventude do autor e dos leitores nessa faixa etária, já que tocavam insistentemente nas rádios nos idos das décadas de 80 e 90.

O autor, Victor Mascarenhas / Foto: Vinicius Xavier - Divulgação
O autor, Victor Mascarenhas / Foto: Vinicius Xavier – Divulgação

Outra história, Purgatório, é impiedosa na crítica ao jornalismo que cobre celebridades e magnatas; e aos jornalistas que, tal qual aves carniceiras, sobrevoam em torno dos hospitais à espera do grande furo representado pela morte de um magnata por overdose.

Nos intervalos entre essa histórias mais complexas, há micro contos que brincam com temas como a burocracia e a solidão, seja do tiozinho que enfia camisinhas no bolso antes de cair na folia momesca, a tiazinha que se excita com o especial de fim de ano do Roberto Carlos, ou o cara que não gosta de Réveillon e se enfia numa sala automatizada de cinema para ver um filme qualquer, enquanto do lado de fora, fogos pipocam e taças de champanhe ajudam a fabricar a alegria esfuziante que a ocasião pede.

Os dois últimos contos de Um certo-mal estar, na verdade um grande mosaico da existência humana, poderiam facilmente virar roteiros de cinema. Fuga, com ares de Faroeste Caboclo misturado ao Auto da Compadecida, narra a mirabolante escapada de um homem e uma mulher da sanha de traficantes vingativos, enquanto ela está em trabalho de parto! É talvez, apesar da violência implícita e muitas vezes explícita, a mais terna das histórias do livro, se não a única com leves traços de ternura. Porque mesmo narrando uma situação limite, traz um fiapinho de esperança representado pelo bebezinho que nasce em um ferro-velho.

Já o conto que encerra o espetáculo ridículo que o ser e o estar no mundo muitas vezes representa, não à toa batizado de Ensaio sobre o tempo perdido, traz uma espécie de redenção para um ex-roqueiro que, num impulso, após um papo filosófico (meio Freud, meio Bukowski) com um amigo em depressão, resolve reunir a galera da sua ex-banda de garagem da juventude. Um desfecho que provoca no leitor um risinho de canto de boca ao constatar que só a ironia salva a essência da geração x.

No fim das contas, os punks de outrora podem até não ter envelhecido tão bem, mas ainda sabem dar o dedo médio para toda essa m* que está aí…

Ficha Técnica:

Capa Um certo mal-estarUm certo mal-estar

Autor: Victor Mascarenhas

Editora: Solisluna

R$ 29,90

Advertisements

2 thoughts on “Resenha: Um certo mal-estar (Victor Mascarenhas)”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s