“…o mais importante é ser capaz de amar”

"Há uma questão de mercado nas novas espiritualidades que é vender uma coisa para a pessoa ler e se sentir legal. Ao contrário, a espiritualidade profunda - seja budista, islâmica, católica, hinduísta, etc. - está sempre fincada em uma experiência de esvaziamento do eu, de descentramento de valor. É típico do eu inflado, por exemplo, … Continuar a ler “…o mais importante é ser capaz de amar”