Literatura, Resenhas

Resenha: O espadachim de carvão

Mitologia de origem à brasileira

Blogueiro carioca cria história de fantasia inspirado na cultura nerd

Affonso Solano, da internet para as livrarias

O Brasil também é pródigo em literatura fantástica. Ao menos, provar que os autores do país conhecem os caminhos da fantasia, no melhor estilo da Terra Média, é a missão do carioca Affonso Solano. Famoso na internet, e no “mundo nerd”, pelo poadcast Matando Robôs Gigantes, ele estreia na literatura com O espadachim de carvão (Casa da Palavra, 2013), primeiro volume da série de aventuras de um jovem guerreiro descendente de deuses.

A tarefa de Affonso Solano, que também é ilustrador, storyboarder para a TV e colunista do blog TechTudo, não é tão árdua quanto os desafios que seu protagonista, Adapak, precisa enfrentar no hostil mundo de Kurgala. O autor integra uma nova geração de jovens escritores que, aos poucos e com a ajuda de milhares de fãs criados com games e sagas estrangeiras pontuadas de duelos mágicos, fundam uma tradição nacional no gênero fantasia.

A fonte primordial desses escritores, porém, nem sempre é genuinamente brasileira, como os mitos indígenas ou afrodescendentes, mas a cultura globalizada, disseminada pela internet, pelo cinema de Steven Spielberg ou pelos contos sobrenaturais de Stephen King. Integram esse time gente como o jornalista e autor best seller Eduardo Spohr, de A batalha do apocalipse (Verus, 2010). O livro já vendeu mais de 400 mil exemplares e trata sobre uma guerra de anjos.

O espadachim de carvão inaugura uma mitologia intrincada, inventada por Affonso Solano, e que envolve desde os mitos de origem da criação do mundo, até a interação de humanos com povos extra-terrestres e dotados de conhecimentos e tecnologia superiores. O autor confessa que sua inspiração vem de Tolkien – embora haja traços também de outro “pai da fantasia”, C. S. Lewis –, dos jogos de RPG, dos quadrinhos, dos mundos perdidos dos romances de Júlio Verne e da hábil narrativa cinematográfica.

A história acontece em Kurgala, um equivalente alternativo da Terra, no continente de Eriduria, um lugar abandonado pelos quatro deuses que conceberam todas as espécies que habitam o mundo. Esses deuses, por sua vez, desceram dos céus, em clara alusão a povos extra-terrestres, e uma vez que encontraram as duas forças criadoras de Kurgala, as aprisionaram e assim puderam gerar os habitats onde as espécies mortais viveriam e encenariam seus dramas. Qualquer semelhança com os mitos gregos, os irmãos olimpianos que derrotam os titãs, não é mera coincidência.

Adapak, o protagonista, é um jovem de pele cor de carvão e olhos brancos, filho de um desses quatro deuses de Kurgala. Ele foi criado longe do mundo, isolado em uma ilha esmeralda. Aprendeu um complexo sistema de luta com espadas e estudou profundamente, em livros antigos, a história do mundo e seus povos. Mas como não conhece a maldade, é ingênuo, uma vez fora da proteção da ilha precisa enfrentar o egoísmo, ganância e deslealdade de gente que tenta levar vantagem sobre ele e suas boas intenções.

Diante da realidade cruel, Adapak inicia a boa e velha jornada do guerreiro. Mas, ao contrário de outros heróis como o Hércules da antiga Grécia, ele não está em busca de redenção, mas de descobrir mais sobre si mesmo e sobre os misteriosos acontecimentos que levaram à destruição da ilha que era seu antigo lar. Por cada lugar onde passa e de cada criatura que conhece, ele absorve sabedoria e se torna menos inocente e mais adaptado ao mundo exterior, sem perder, no entanto, as características essenciais ao herói clássico: honestidade, honradez, determinação e compaixão.

Por ser a obra inaugural de uma série, O espadachim de carvão não traz todas as respostas da trama de uma só vez e é escrito de forma não linear, mostrando dois tempos simultâneos: as lembranças de Adapak da sua ilha e as fugas mirabolantes que empreende dos caçadores em seu encalço. O final, em aberto, dá indícios de que o guerreiro ainda será testado em situações futuras. E se depender dos fãs que vem conquistando em redes sociais, o espadachim e seu criador precisarão de fôlego para muitas aventuras, pois a geração habituada aos livros de Harry Potter (sete), Crônicas de Gelo e Fogo (até agora cinco) e outros do gênero tem sede insaciável.

Ficha Técnica:

O espadachim de carvão

Autor: Affonso Solano

Editora: Casa da Palavra / Grupo Leya (www.casadapalavra.com.br)

256 páginas

Preço: R$ 34,90

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s