Dicas de leitura, Literatura

O retrato de Dorian Gray ganha edição sem censura

Oscar WildePublicado pela primeira vez em 189o, em forma de seriado na revista literária Lippincott’s,  O retrato de Dorian Gray, do escritor irlandês Oscar Wilde, foi considerado muito ousado para a época e alterado pelo editor. Um ano depois, 1891, em resposta às críticas recebidas, o autor fez sua própria edição, mas guardou o manuscrito inicial.  E é essa edição sem cortes e sem censura –The Picture of Dorian Gray: An Annotated, Uncensored Edition, publicada pela Harvard University Press -, que chega ao mercado editorial brasileiro pela primeira vez, com base nos originais de Wilde. A publicação é da editora Biblioteca Azul.

O texto original inclui os trechos em que Oscar Wilde trata da homossexualidade de maneira aberta. O escritor, que era homossexual, chegou a ser preso. Na nova edição, foram incluídas ainda centenas de notas que situam o romance em sua época, além de traçar, paralelamente ao texto, uma biografia de Wilde, centrando nos episódios de sua vida que foram consequência da exposição feita no romance.

O livro, para quem não conhece, é ambientado na Londres do final do século XIX para o começo do XX e tem três personagens principais: Lord Henry, um bon vivant inescrupuloso e amoral; o pintor Basil Hallward, um artista até certo ponto liberto dos preconceitos da época, mas ainda zeloso de aparentar tê-los; e o jovem Dorian Gray, filho da aristocracia, rico e, sobretudo, muito belo. Com esses elementos, Oscar Wilde compõe o cenário de um dos mais importantes romances da língua inglesa da virada do século XX.

Seduzido pela admiração que causa nos dois amigos, e, sobretudo, pela própria beleza retratada por Basil em uma pintura, Dorian Gray tem um momento de pacto faustiano e faz um juramento dizendo que daria tudo, inclusive sua alma, para que ficasse sempre jovem e belo. Assim, enquanto o retrato exibe todo o efeito de sua degeneração moral e vai “envelhecendo”, Dorian mantém-se belo e jovem, apesar da vileza, das maldades e da falta de escrúpulos que adquire com o tempo.

Embora tenha se tornado um clássico instantâneo, o livro, quando publicado pela primeira vez e mesmo após ter sido “amenizado”, recebeu duras críticas. No texto, Wilde, que tinha uma língua ferina e vasta cultura, reedita o mito de Fausto (personagem de Goethe que faz um pacto com o demônio) com tiradas morais bem mordazes e frases de efeito que permanecem atuais mais de cem anos depois. O autor também fez duras críticas à sociedade hipócrita de seu tempo.

Ficha Técnica:

DorianO retrato de Dorian Gray: edição anotada e não censurada

Autor: Oscar Wilde

Organização, introdução e notas: Nicholas Frankel

Tradução: Jorio Dauster

Editora: Biblioteca Azul

352 páginas / Preço: RS 64,90

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s