” a ternura que se sente pela comum vulgaridade humana”

"Descendo hoje a Rua Nova do Almada, reparei de repente nas costas do homem que a descia adiante de mim. Eram as costas vulgares de um homem qualquer, o casaco de um fato modesto num dorso de transeunte ocasional. Levava uma pasta velha debaixo do braço esquerdo, e punha no chão, no ritmo de andando, … Continuar a ler ” a ternura que se sente pela comum vulgaridade humana”