Geral, Literatura, Resenhas

Resenha: Além do planeta silencioso (C. S. Lewis)

Alegoria extraterrestre sobre a intolerância

C. S. Lewis, autor de As crônicas de Nárnia, discute tensões políticas e sociais da Europa pré II Guerra em ficção científica

Por: Andreia Santana

C. S. Lewis é mundialmente conhecido graças ao sucesso no cinema das adaptações de seus contos infanto juvenis As crônicas de Nárnia. Mas o autor, antes de publicar, nos anos 50, as famosas Crônicas, criou uma pequena obra-prima, lírica e filosófica, que revela poesia desde o título: Além do planeta silencioso (Martins Fontes, 2010). Primeiro livro da Trilogia Cósmica, Além do planeta silencioso é de 1938 e funciona como metáfora para o período tenso pré II Guerra Mundial, quando na Europa proliferavam os governos totalitários. É também uma alegoria religiosa, com foco nas crenças cristãs, mas com uma base solidamente fincada nas mitologias celta e nórdica. Nessa fábula mais adulta, o autor discute a intolerância, preconceito, opressão, o avanço da tecnologia bélica e até cria metáforas que tanto servem para descrever o anjo caído Lúcifer, que teria “entortado o mundo”, quanto Hitler, que teria “entortado a Europa”.

Marte, chamado de Malacandra na obra de C. S. Lewis

O livro conta a história do filólogo Elwin Ransom, um pacato professor universitário que tem como passatempo fazer longas viagens a pé pelo interior da Inglaterra. Por uma sucessão de fatos, Ransom é sequestrado por dois homens: o cientista Weston e o magnata Devine, e embarcado numa nave espacial para o planeta Malacandra (Marte).

Nessa primeira parte da trilogia, C. S. Lewis não perde tempo descrevendo batalhas espaciais ou engenhocas tecnológicas dignas de Júlio Verne e H. G. Wells, autores que povoaram sua infância. O interesse do autor é utilizar esse mundo desconhecido e que se extingue, com paisagens exóticas e desoladas, para mostrar a evolução espiritual do protagonista e levá-lo através de alegorias, a questionar, analisar e, finalmente, aceitar a existência de uma grande força espiritual em regência ao universo.

Supremacia racial – A estranheza que os habitantes de Malacandra causam em Ransom, que num primeiro impulso considera os nativos como selvagens aculturados, é o grande discurso moralizante da obra de Lewis e sua bandeira contra os ideais racistas do nazifascismo. Weston e Devine, inclusive, personificam dois males da civilização moderna: a ganância que quer extrair todas as riquezas dos mais fracos (capitalismo predatório e selvagem); e o conquistador que quer dominar e extinguir os considerados inferiores (como o arianismo proposto por Hitler). Weston, que é o cientista que desenvolveu a nave especial para “conquistar” Malacandra, seria ainda uma mente brilhante a serviço do mal.

C. S. Lewis (Clive Staples Lewis) nasceu em Belfast, Irlanda. Ateu até os 29 anos, converteu-se na maturidade e estudou teologia, entre outras coisas. Ensinava em Oxford, onde frequentava o grupo literário de Tolkien, The Inklings. Os dois eram grandes amigos. Ransom, personagem principal da Trilogia Cósmica é inspirado no autor da saga O Senhor dos Anéis

A necessidade de Ransom em racionalizar tudo o que vê nas paragens “estrangeiras”, traçando paralelos com a cultura da Terra (leia-se a cultura ocidental), mostram que o objetivo do autor é usar a obra também como alerta contra o preconceito e as ideias de superioridade e pureza racial que proliferavam na Europa no período entre guerras.

Em algumas passagens, abertamente critica os ideais colonialistas e suas crenças “no fardo do homem branco”; ou seja, “o peso da civilização” e as “obrigações dos povos culturalmente superiores para com os inferiores”, o que fatalmente leva à dominação e extinção de culturas. Ransom, que não pode evitar ser fruto do seu meio, embora comece a amadurecer durante a experiência extraterrestre, aprende que em Malacandra, as raças diferentes convivem numa harmonia que transcende as diferenças físicas ou culturais, dando a ideia de um “paraíso bíblico”. Ele percebe também que uma raça não precisa dominar ou mesmo diluir a outra e que não existe uma hierarquia que divide os povos entre superiores e inferiores.

O sábio leão Aslan, de As crônicas de Nárnia, um avatar para Cristo

Viajante involuntário, mas depois admirador dos habitantes de Malacandra na mesma proporção em que percebe que o inferior é na verdade o animal humano e suas políticas de exclusão, Ransom entende porque, para a civilização malacandriana, a Terra é conhecida como o “planeta silencioso”. E aqui, alguns trechos da obra se assemelham à história de Nárnia, pois o “mal” (seja na figura do demônio ou na do nazismo), ao invadir a Terra, isolou-a e apartou-a da grande harmonia celestial que manteria a ordem no Cosmos.

A narrativa do escritor mescla o lirismo e a retórica. O tom dos textos, principalmente nas passagens de maior peso religioso, lembra uma pregação, mas não do tipo enfadonha. Antes, utiliza-se de encadeamentos lógicos e deduções inteligentes para seduzir o leitor e convidá-lo ao livre pensamento. Mesmo quando abertamente fala do Deus cristão, chamado “Maleldil” na história, o autor convida mais a uma reflexão filosófica sobre religiosidade do que para uma conversão propriamente dita.

Considerada uma das obras-primas da literatura inglesa, Além do planeta silencioso pode não encantar tanto aos leitores mais afeitos à aventura pela aventura, quanto as fábulas protagonizadas pelo leão Aslan; mas cria uma boa expectativa em relação ao restante da Trilogia Cósmica e oferece outra perspectiva da fantasiosa imaginação de C. S. Lewis. As questões morais, marca registrada dos livros dele, prevalecem, mas num tom menos profético e mais humano.

Ficha técnica:
Além do planeta silencioso
Autor: C. S. Lewis
Tradução: Waldéa Barcellos
Editora: Martins Fontes
228 páginas / R$ 36,00

*Versão do texto foi publicada neste sábado no Caderno 2+, de A TARDE

Anúncios

2 thoughts on “Resenha: Além do planeta silencioso (C. S. Lewis)”

  1. Primeiramente, eu gostei muito de seu texto. Muito bem elaborado, e me fez entender melhor a história do livro, que também tem muito a ver com o cristianismo adotado por C.S.Lewis que é meu escritor favorito! Amei mesmo, me ajudou bastante. Atenciosamente, Alana Luz.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s