Autores, Geral, Literatura, Resenhas

Resenha: Estrangeira

“Tecer redes é um antídoto contra o desamor”

Em Estrangeira, seu 25º livro, Sonia Rodrigues usa a teia de relações da internet para unir as histórias de amor de três mulheres de uma mesma família

“As mulheres que nascerão de mim serão imperfeitas, intensas, ricas em paixão e desejo, em alegria e desequilíbrio. Serão mulheres de carne e osso”.

*Andreia Santana

A internet e suas inúmeras possibilidades de interação têm servido de pano de fundo para a ficção inúmeras vezes, mas raramente é explorada como item chave de uma narrativa. Antes, serve apenas como mero suporte. Em Estrangeira (Ed. Nova Fronteira), 25º livro da escritora Sonia Rodrigues, o uso da internet, porém, é a metáfora para as redes – no sentido de laços de parentesco, afeto e/ou amizade -, que unem e ao mesmo tempo isolam os personagens deste romance agridoce e poético.

Em busca de exorcizar a dor de uma separação, a protagonista é Eilenora, uma designer gráfica de 29 anos, que mantém um blog fechado ao acesso público, onde narra o seu dia a dia para um único leitor: o ex-namorado. É lá também que ela conta a ele sobre a grafic novel onde pretende esmiuçar as frustrações do relacionamento dos dois e desabafa as agruras vividas na tentativa de firmar-se na carreira.

Afundada nos problemas pessoais e afetivos, Eilenora é levada a enxergar a própria vida por outro ângulo quando descobre alguns disquetes em uma antiga casa de veraneio, que seriam o diário eletrônico de sua mãe, morta há 11 anos; e quando, por meio de um site de relacionamentos que frequenta, conhece uma franco marroquina que lhe conta a malfadada história de amor de sua tataravó, imigrante irlandesa de quem herda o exótico nome de batismo.

Montado o cenário e apresentados seus principais atores, Sonia Rodrigues, que além de escritora, é jornalista e especialista em criação de redes sociais, explora o universo on line no que ele tem de humano e não no aspecto tecnológico. Além de manter o blog, sua protagonista é hard user (usuária avançada) de internet e está inserida no contexto em que a alta tecnologia funciona como o fio invisível que diminui a sensação de distância entre as pessoas. Só que, pela idade, Eilenora também pertence à geração dos migrantes digitais e por isso, traz outras referências culturais. Seu uso do computador, da internet e das redes é marcado por uma profunda necessidade de contato físico, que extrapola os limites da tela.

O tema central da obra, o amor, é universal e ajuda a equilibrar o livro entre o romance e a reflexão sobre o uso massivo de redes de relacionamento. As digressões de Eilenora sobre a necessidade de contato dos seres humanos e o grau de exposição na internet em busca da compreensão dos seus iguais, aproveita a larga experiência de Sonia Rodrigues neste meio. Mas embora traga questões quase acadêmicas sobre temas como voyerismo e cyberbulling, a linguagem informal da personagem dá a leveza necessária a uma leitura prazerosa, mas daquele tipo que faz pensar.

O pano de fundo da história é a solidão vivida pela tataravó irlandesa, pela mãe e agora por Eleinora, como uma maldição de família. Mas também pelas amigas da protagonista, pela tia madura que está recém-divorciada e até pelo ex-namorado, descrito por ela como um geek sem alma. O uso das redes sociais – e o encurtamento das distâncias -, proporcionado pela internet não serve de atenuante aos corações partidos que navegam em busca de um simulacro de calor humano. Ao contrário, o abandono dos personagens é palpável tanto no mundo off quanto no on line. Estrangeira não chega a ser uma obra pessimista, mas flerta com aquele desencanto típico da poética rodrigueana. Não à toa, a autora é filha do escritor e dramaturgo Nelson Rodrigues.

Através das pouco menos de 200 páginas do livro, Eleinora envereda pelo caminho tortuoso da autodescoberta, mas precisará também descobrir a autoindulgência e a capacidade de perdoar seus ex-desafetos. Narrada em primeira pessoa, a história alterna trechos em on, com ela contando a própria história, e em off, quando lê os diários da mãe ou investiga a antepassada irlandesa.

O tom confessional e o formato, como se os leitores fossem o ex-namorado que é o único leitor do blog de Eilenora, cria uma intimidade e uma grande empatia com essa heroína às avessas que não parece saída de um romance. Não admira que na Flip de 2007, durante um chat promovido pela Bravo On Line, a escritora tenha dito que não consegue conceber ficções que não sejam autobiográficas. O quê de Sonia Rodrigues existe em Eilenora além do trânsito livre pela internet? Só a autora deve saber. Mas sua protagonista é de fato biográfica: lembra as blogueiras que expõem a própria alma em palavras, para o deleite de públicos seletos ou de quem o Google jogar em suas páginas.

Quem é Sonia Rodrigues? – Escritora, jornalista, mestra e doutora em literatura pela PUC-Rio, Sonia Rodrigues é autora da coleção de novelas Reconstruir, onde atualiza os antigos mitos da humanidade em linguagem e formatos contemporâneos. Estudando o RPG, criou um método de escrita criativa chamada Autoria e também desenvolve jogos e redes sociais para uso educativo; além de ministrar oficinas de escrita criativa em eventos como a Flip, geralmente com foco nas narrativas em forma de conto.

Ficha Técnica:

Estrangeira

Autora: Sonia Rodrigues

Editora: Nova Fronteira

192 páginas / R$ 29,90

*Resenha publicada na edição do Caderno 2+ de A TARDE, no dia 29/12/2010

Advertisements

1 thought on “Resenha: Estrangeira”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s