Autores, Aventura, Dicas de leitura, Geral, Literatura, Resenhas

Resenha: Luka e o fogo da vida

Li Luka e o fogo da vida, o novo livro de Salman Rushdie, de um só fôlego. Primeiro porque o autor é patrono deste blog, que tira seu nome de Haroun e o mar de histórias, e depois porque Luka é um deleite para a alma. A resenha foi publicada no Caderno 2+ de A TARDE.

O fogo da vida que queima no mar das ideias

Vinte anos após revolucionar o modo de escrever para crianças com Haroun e o mar de histórias, Salman Rushdie lança a continuação Luka e o Fogo da Vida tratando do mesmo tema: a liberdade de expressão

Andreia Santana

Haroun e o mar de histórias é uma metáfora escrita por Salman Rushdie em 1990, como forma de explicar ao seu filho o que significou para ele a Fatwa (sentença em que o aiatolá Khomeini pedia a morte do autor por blasfemar contra o Islã em seu livro mais famoso, Os versos satânicos, e que resultou em censura da obra e uma imposição de silêncio a Rushdie). Vinte anos depois de não apenas dar uma aula sobre liberdade de expressão ao filho, mas revolucionar a própria forma de escrever para crianças, o escritor está de volta com a continuação da história, Luka e o fogo da vida, lançado recentemente no Brasil pela Companhia das Letras e divulgado em primeira mão no país, pelo próprio autor, na FLIP 2010 (Festa Literária Internacional de Paraty).

Ambientado em um intervalo de tempo de 18 anos após a primeira história, Luka e o fogo da vida resgata o tema da liberdade de expressão, mas desta vez, com o autor livre da Fatwa (embora extremistas ainda ameacem o escritor), o foco é o politicamente correto dos tempos pós contemporâneos. Luka, o personagem título da continuação, é o irmão mais novo e temporão de Haroun, agora um homem de 30 anos, e personagem principal da obra anterior. Ler um sem ler o outro é perder o contexto sobre o qual Salman Rushdie tece a sua teoria sobre a origem do hábito humano de contar histórias e criar mitos para explicar o inexplicável: de onde viemos e quem somos?

Salman Rushdie driblou a censura da Fatwa criando uma metáfora para explicar ao filho sobre censura e falta de liberdade de expressão

Reconhecido internacionalmente pela mistura de ficção, onde bebe com frequência em antigos mitos hindus, com a realidade e o conflito de ideias e modos de vida entre Oriente e Ocidente (Rushdie é um britânico de origem indiana, criado em Mumbai), o autor não é dos mais fáceis de ser lido nos seus livros para adultos, pois subverte a lógica linear da narrativa a que muitos leitores estão confortavelmente habituados e constrói tramas tão intrincadas que é fácil se perder no labirinto do presente, passado e futuro, realidade ou fantasia. Mas a complexidade do escritor, quando transposta para o universo infanto juvenil, faz todo o sentido aos apreciadores da literatura, em qualquer idade. Mesmo quem nunca leu uma das obras adultas de Rushdie, como a tríade magistral formada por Os versos satânicos, O chão que ela pisa e O último suspiro do mouro, encontrará facilidade em embarcar nas aventuras de Haroun ou na de seu irmãozinho Luka.

Embora filosofe sobre o mesmo tema e mantenha o tom de declaração de amor aos mitos criados pela humanidade ao longo dos milênios para se auto explicar, Salman Rushdie mostra em Luka que continua sendo um intelectual conectado ao presente e que está mais do que plugado aos novos tempos e à exigência dos leitores de vinte anos depois do primeiro livro. Se Haroun traz uma certa nostalgia de fogueiras e rodas de contação de histórias ao luar, fazendo os pais suspirarem pelas suas infâncias deixadas para trás, no limbo da memória; Luka é um fôlego novo, ágil e totalmente em ritmo de videogame.

Aliás, a aventura do garoto em busca do fogo da vida que pode salvar o mundo real e o da fantasia de uma destruição iminente, é toda narrada em níveis e fases, como os jogos que a turma de agora costuma encarar no computador. Luka, inclusive, precisa lembrar-se de salvar cada conquista ao pular de um nível ao outro, além de perder ou ganhar vidas conforme avança nas jogadas, como em um grande game.

A influência da cultura pop na obra de Rushdie não é novidade, mas a forma como ele encaixa essas referências em suas obras, fazendo um casamento perfeito entre a modernidade e a tradição, é característica exclusiva do estilo de sua narrativa, que oscila entre a pura poesia e a capacidade de dizer verdades inconvenientes e amargas com a força de um soco no estômago e a doçura de uma canção. Em Luka, essa verdade incômoda é a morte que ronda o pai do personagem, o grande Mar das Ideias, ou Xá do Blá Blá Blá, Rashid Khalifa, o maior contador de histórias do imaginário país de Alefbay, onde se desenvolve a trama.

O aiatolá Khomeini decretou sentença de morte contra Salman Rushdie sob acusação de que ‘Os versos satânicos’ era uma heresia contra o Islã

Enfeitiçado pelos Aalins (os senhores que controlam o tempo), Rashid precisa comer um pouco do fogo da vida para recuperar-se. Caso Luka fracasse na sua aventura, será o fim do mundo de fantasia criado por seu pai e as consequências chegarão até a realidade fora dos livros, com o comprometimento de todas as histórias conhecidas pela humanidade. E aqui, Rushdie nos brinda com a teoria de que não somos nada mais, nada menos do que palavras, “um oceano de conceitos” traduzido e tornado real a partir do ato de recebermos um nome ao nascer ou de nomearmos cada coisa no ambiente que nos cerca. Qualquer semelhança com “e o verbo se fez carne” bíblico, não é mera coincidência. Até porque, boa parte do que está na bíblia cristã (no novo testamento, principalmente) já se encontrava nos Vedas indianos séculos antes de Cristo.

Na sua jornada, Luka tem como companhia um urso e um cachorro falantes e o fantasma da morte que absorve a vida de Rashid e a quem o menino chama de Ninguémpai. Seu conhecimento do mundo mágico do Xá do Blá Blá Blá é todo teórico, baseado nos relatos de Rashid e na aventura vivida por seu irmão Haroun 18 anos antes. Uma vez que atravessa a fronteira, sai da realidade e entra no mundo da ficção, Luka se depara com uma jornada típica do reino de Oz, onde não faltam cidades e personagens exóticos e uma espécie de retiro para deuses aposentados (aqueles que deixaram de ser cultuados pela humanidade), onde convivem às turras divindades do Egito, Pérsia, Grécia, Roma, das Américas, países nórdicos e até orixás africanos.

As duas edições de Haroun e o mar de histórias pela Companhia das Letras. A da esquerda (vermelha), foi relançada este ano

O interessante a observar é que o personagem é canhoto e, sentindo-se inadequado em um mundo planejado para quem vive à direita (ou seja, os destros), sonha com um país ao contrário, uma espécie de eldorado dos canhotos, onde o esquerdo é que assume o status de correto. Uma advertência de seu irmão Haroun, “cuidado ao pegar a senda da esquerda”, é figura de linguagem perfeita para criticar o radicalismo de certos movimentos políticos e sociais.

Usando os Aalins como a grande metáfora para a censura que tenta impedir o fluxo do mar de histórias de jorrar, Salman Rushdie analisa o mundo atual e chega à conclusão de que a patrulha ideológica do politicamente correto e as imposições de regimes políticos totalitários (de esquerda ou direita) que readquiriram força neste começo de século XXI (principalmente no Oriente), são os grandes responsáveis por automatizar ações e sentimentos, desumanizando as pessoas e tornando-as espectros, como o Ninguémpai.

O contraponto aos rígidos senhores do tempo é a Insultana de Ontt, personagem feminina de destaque na trama e no desfecho da jornada de Luka. Rainha de uma terra de livre expressão, a Insultana lança mão do humor e do deboche como armas contra qualquer forma de tirania.

Com este pequeno libelo à liberdade, são 208 páginas, o autor quer ainda ensinar aos mais novos e relembrar aos mais velhos que o humor também é um santo remédio para os males do tempo. Parece um conselho pueril, mas quem tenta rir de si mesmo até nas situações mais críticas, vai entender…

Ficha técnica:
Luka e o Fogo da Vida
Autor: Salman Rushdie
Tradução: José Rubens Siqueira
Editora: Companhia das Letras: (www.companhiadasletras.com.br)
208 páginas
R$ 42,00

>>Leia um trecho da obra

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s