Autores, Dicas de leitura, Geral, Literatura, Resenhas

Resenha: Gentlemen

Depois de alguns dias de merecido sumiço junino, o retorno é marcado pela publicação da resenha do livro Gentlemen, de Klas Östergren, na edição deste sábado do Caderno 2+, em A TARDE. Por aqui, como é de lei, publico para os amigos…

Literatura noir temperada com o frio sueco

Gentlemen, aclamado romance de Klas Östergren, ganha edição em português 30 anos após seu lançamento e apresenta aos brasileiros a ficção escandinava

Andreia Santana

O que sabemos com mais certeza sobre a Suécia é que em 1958, ganhamos nossa primeira Copa do Mundo neste país, derrotando os donos da casa por 5×2. Além disso, que é a terra onde nasceu Greta Garbo. Mas a Suécia tem mais a revelar ao leitor brasileiro do que algumas questões de conhecimentos gerais. Foi lá também que nasceu Klas Östergren, o criador de Gentlemen, romance noir lançado no Brasil 30 anos depois de consagrar seu autor como um dos maiores escritores de sua geração. Misto de trama policial com panorama lúcido sobre a história da Europa entre o final da II Guerra Mundial e a emblemática década de 80, nos últimos anos da Cortina de Ferro, Gentlemen é considerado O Grande Gatsby (F. Scott Fistzgerald) escandinavo.

O livro conta a história dos irmãos Henry e Leo Morgan. O primeiro é pugilista, pianista e bon vivant. O segundo, poeta, rebelde e esquizofrênico. Quem conta os detalhes da vida dos Morgan, filhos de um antigo “barão do jazz” de Estocolmo que abriu mão do titulo de nobreza para cair, literalmente, nos braços da noite, é o jovem escritor Klas (homônimo ao autor), convidado a morar com a dupla quando seu apartamento é depenado por assaltantes. A coincidência não é só o nome: ao personagem, Klas Östergren empresta fatos da própria vida como frequentador da boemia sueca entre os anos 60 e 70.

A narrativa de Gentlemen não é linear, mas pontuada pelas idas e vindas das lembranças de Klas (o narrador-personagem), após o misterioso desaparecimento dos Morgan, supostamente por envolvimento com o tráfico de armas. Sozinho no colossal apartamento onde os três viveram por quase um ano, uma espécie de museu herdado do avô nobre dos Morgan, o jovem escritor decide colocar no papel a trajetória inacreditável dos irmãos, opostos e complementares.

Para um leitor que não tenha conhecimento prévio do contexto mundial da época retratada, fica uma sensação de saltos e buracos na narrativa, impressão também que demonstra a juventude e inexperiência do próprio autor, que contava apenas 25 anos quando publicou o livro e em determinados trechos, parece perdido nas curvas da sua complexa história. As lacunas, porém, não chegam a comprometer o resultado final, pois Gentlemen traz elementos de boa literatura policial e o clima noir que ajudam a manter o ar de mistério, como uma trama de espionagem saída direto dos anos de chumbo.

A geração na faixa dos 40, 50 anos tem em Gentlemen um deleite, pois o livro revive detalhes pitorescos dos efervescentes anos 60 e 70, com a contracultura, o festival de Woodstock e a boemia meio desencantada que circulava pelos principais clubes noturnos europeus. Henry, o Morgan mais velho, encarna um tipo de último cavalheiro “bem nascido, bem lido e bem viajado” que tenta adaptar-se a um tempo em que Leo, o mais novo, parece transitar com mais desenvoltura, em meio a greves de operários, protestos de ambientalistas e uma juventude que ansiava fazer tudo diferente do que seus pais haviam feito. Nos intervalos da internação em hospícios e clínicas de reabilitação, Leo confronta o que considera os “ecos da cultura reacionária de um mundo que envelhece e adoece” do irmão.

Paradoxalmente à vontade de que novos ventos soprassem sobre a Suécia e o resto do mundo no final dos anos 80, não escapa à percepção que a obra também é nostálgica e presta um tributo justamente ao que Leo definiria como cultura reacionária. Ou seja, a elegância do período pré e pós a II Guerra. Apesar de toda a privação da época, havia um glamour que era traduzido principalmente pela música e o cinema. O charme coquete dos anos dourados resistiria até a iconoclastia da década de 60. Na obra de Östergren, é Henry Morgan quem sintetiza o conflito, sendo ao mesmo tempo músico de jazz, sedutor, gourmet e conhecedor de vinhos raros, que nas horas vagas escava túneis subterrâneos e passagens clandestinas sob o solo de Estocolmo.

A grande sacada de Gentlemen é mostrar através dos seus personagens, todos os contrastes de um período que se estende por pelo menos 40 anos da história. O maior exemplo de interesses conflitantes vem ainda de Henry, pianista e pugilista, duas atividades praticamente excludentes, visto que para tocar piano, manter as mãos saudáveis é essencial; e não há nada menos saudável que o boxe para as mãos.

Mas é do contraponto Leo Morgan que vem as inquietações do jovem autor, tanto o narrador-personagem da história, quanto Klas Östergren, do alto de seus 25 anos. Em determinado trecho do livro, Leo, desiludido com “o sistema”, prevê que o futuro do mundo é enlouquecer e fazer tanto sentido quanto as atividades de último bon vivant de seu irmão. Com muita propriedade, Klas, embora atice o desejo dos nostálgicos, mostra que a loucura, disfarçada em mil formas e nomes (inclusive “arte”), sempre foi tributo pago pela humanidade.

O autor – Klas Östergren nasceu em Estocolmo, Suécia, em 20 de fevereiro de 1955. Publicou o primeiro romance, Atila, aos 20 anos, mas a notoriedade dentro e fora do país de origem veio cinco anos mais tarde, em 1980, quando publicou Gentlemen, considerado a obra-prima do autor. Ao todo, ele possui 17 romances, incluindo a continuação de Gentlemen, Gangsters, lançado apenas em 2005, 25 anos depois do primeiro livro e ainda inédito no Brasil. Na Europa, é considerado um dos mais importantes tradutores de J. D. Sallinger para as línguas nórdicas, além de também ter traduzido as peças do dinamarquês Hendrik Ibsen para o inglês. Paralelo às atividades como escritor e tradutor, é roteirista para a TV e cinema.

>>Leia aqui um trechinho da obra já publicado no blog

Ficha técnica:

Gentlemen

Autor: Klas Östergren

Tradução: Fernanda Semedo

Editora Record

558 páginas

Sugestão de preço: R$ 69,90

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s