Não nos matem, pelo amor de deus!

O título deste post não é um apelo, mas um protesto. A paráfrase relembra a célebre frase do escritor Lima Barreto. Em um artigo escrito para o jornal Correio da Noite, no Rio de Janeiro, em 1915, o autor de Clara dos Anjos bradava: "Não as matem, pelo amor de Deus!" aos maridos e amantes … Continuar a ler Não nos matem, pelo amor de deus!

O menino do pijama listrado

No meu ritmo já tradicional de ver tudo o que está na moda depois que a moda passa, assisti O menino do pijama listrado esta semana, um ano depois do lançamento no cinema. Ambientado na II Guerra Mundial, um tema sobre o qual tenho grande curiosidade, o filme é um poema. Triste e ao mesmo … Continuar a ler O menino do pijama listrado

Chega de Saudade: João e Bebel

Na aula desta terça, sobre a bossa-nova, o professor mostrou uma gravação de João Gilberto cantando Chega de Saudade com a filha Bebel, ainda menina.  "São Youtube dos saudosistas inveterados" preservou a cena, direto do túnel do tempo. Divirtam-se nostálgicos amados!

Exercício diário

A humildade é um exercício diário. Traçar o limite entre manter a autoestima elevada, mas sem descambar para a megalomania, um desafio constante. Ainda me pego tendo pensamentos mesquinhos. São fugazes, mas surgem aqui e ali. Os espanto feito moscas, mas alguns, inoportunos, voltam a esvoaçar rente ao meu rosto...

Autoajuda

São tantas barreiras, tanta gente dizendo não na sua cara, cada iniciativa vetada, cortada, interrompida, cada projeto recusado, litros e litros de água gelada na chama das suas ideias, se você faz, desfazem, tentam esconder o melhor de você. E o que você faz? Persiste, abre novas frentes, desbrava, avança, luta, continua, segue em frente, … Continuar a ler Autoajuda

Autoidentidade, narcisismo e Giddens

A leitura da vez chama-se Modernidade e Identidade, de Antony Giddens. Trata basicamente dos dilemas da modernidade tardia e da construção da autoidentidade, do eu reflexivo, da narrativa que todos elaboramos diariamente, em busca de uma coerência do estar no mundo, do ser no mundo. O autor parte desde a infância, quando iniciamos os laços … Continuar a ler Autoidentidade, narcisismo e Giddens

A violência “gratuita” do bastardo Tarantino

Muito já foi escrito sobre Bastardos Inglórios, desde análises detalhadas do filme até opiniões e críticas especializadas. No entanto, como ainda não meti minha colherzinha, vou aproveitar uma frase ouvida na saída do cinema, esta semana, para também dar meus pitacos. "Esse cara deve ser maluco, que violência gratuita e desnecessária!", foi o que escutei … Continuar a ler A violência “gratuita” do bastardo Tarantino