“O amor nos tempos do cólera”

Javier Bardem como Florentino Ariza. O ator confere veracidade ao personagem, mas seu porte atlético e a expressão segura não se parecem com o Ariza descrito no romance

Javier Bardem como Florentino Ariza. O ator confere veracidade ao personagem, mas seu porte atlético e a expressão segura não se parecem com o Ariza descrito no romance. Mas a maquiagem para demonstrar o envelhecimento do personagem ficou perfeita.

O romance O amor nos tempos do cólera, de Gabriel Garcia Marques, é um dos meus livros favoritos. Embora escolher o melhor romance da vasta produção de GGM seja muito difícil, esse é um dos que mais gosto, ao lado de Crônica de uma morta anunciada e do clássico Cem anos de solidão. A primeira conclusão a que cheguei quando li o livro, alguns anos atrás, era de que detestava Florentino Ariza. Acho que sentia por ele a mesma repulsa que Fermina Daza. Um amor tão servil, uma devoção tão obssessiva não são motivo de orgulho para uma mulher independente! Lógico que, nenhuma quer ser desprezada, mas ser amada como “deusa coroada” é um fardo. Ninguém é perfeito, todos tem bons e maus momentos. Mas o amor servil de Florentino na sua juventude era irritante. Quando alguém se humilha tanto por amor e ainda por cima sem esperar nada em troca, não parece humano. Não me parecia na ocasião. E Florentino, com suas cartas, sua paixão recolhida, sua falta de coragem de conquistar Fermina e sua lista de mulheres a quem levava para cama enquanto esperava o marido da sua amada morrer, me enojava. Ele era grudento demais, socorro!

Mas Gabriel é sábio, ele conduz os leitores, principalmente as leitoras, para uma armadilha: no final, todas gostariam de ter tido um Florentino Ariza em suas vidas. E nos pegamos apaixonadas por ele. Na velhice, Ariza é tão digno, já não parece tão apagado, sem sombra, sem alma.

Fermina Daza, vivida pela atriz Giovanna Mezzogiorno

Fermina Daza, vivida pela atriz Giovanna Mezzogiorno. Em poucos momentos do filme a atriz consegue realmente mostrar a força da personagem

Assisti ao filme baseado no romance de GGM recentemente. E pretendo reler o livro. Talvez agora, mais madura, quando li a primeira vez era muito nova, já não sinta tanta repulsa por um amor devotado e alucinado como o de Ariza. Com a idade vem a compreensão de que o amor tem formas e formas de manifestar-se. E Ariza, ao permitir que Fermina vivesse toda uma vida que era só dela, para finalmente, mais de 50 anos depois, viver o que restava da vida ao lado dele, foi generoso. A generosidade é uma prova de amor que comove depois que a gente abandona a impetuosidade da juventude.

No ano de lançamento do filme, 2007, não fui ao cinema assistir. Também não li as críticas. É uma das minhas birras pessoais. Quando se cria expectativa demais sobre alguma coisa, eu ignoro. Só mais tarde, depois que a poeira baixa, me permito contemplar e tirar minhas próprias conclusões. O amor nos tempos do cólera foi mais que badalado, Fernanda Montenegro vivia a mãe de Florentino, que por sua vez foi interpretado pelo novo latin lover Javier Bardem. Gosto do Bardem de Mar adentro, Lunes al sol,  e No country for old man (Onde os fracos não tem vez) . Acredito que ele podia riscar algumas coisas do currículo como o padre herege de A sombra de Goya.

Dr. Urbino, a terceira ponta do triângulo amoroso criado por GGM, vivido pelo ator Benjamim Bratt. O médico, formado na França, é muito dândi para a Colômbia do final do século XIX. O Urbino do romance é um homem mais forte, um contraste de virilidade para o apagado Ariza

Dr. Urbino, a terceira ponta do triângulo amoroso criado por GGM, vivido pelo ator Benjamim Bratt. O médico, formado na França, é muito dândi para a Colômbia do final do século XIX. O Urbino do romance é um homem mais forte, um contraste de virilidade para o apagado Ariza

O filme tem uma fotografia belíssima, os cenários são deslumbrantes. O diretor tentou ser o mais fiel possível à história – tarefa inglória, porque deve ser muito complicado roteirizar a narrativa de GGM -, mas cometeu a heresia de não filmar na língua de Cervantes, a mesma em que escreve Gabriel. Um filme baseado em romance de um escritor colombiano e gravado em inglês, ainda por cima com sotaque portenho?! Fiquei frustrada. O inglês não combina com a passionalidade da história. Assim como os modos de dândi do doutor Urbino, o marido de Fermina, também não.

Estamos na Colômbia, na América Latina selvagem e miserável, assolada pela cólera e pela pobreza, explorada por algumas poucas companhias inglesas ou americanas, mas a população habla espanhol! Os romances de GGM tem essa força, esse arrebatamento típico, mas o filme passa ao largo. Javier Bardem, que é um ator competente, até faz um bom Florentino Ariza, mas na minha imaginação, o personagem é menor, mais delicado, quase incorpóreo, enquanto Bardem é um homem enorme, com um rosto muito marcante para passar despercebido. Fermina Daza, em certo momento, define Ariza como a sombra de um homem. Dificil pensar em Javier Bardem como a sombra de um homem. Já Benjamim Bratt, que vive o marido de Fermina, no romance é um homem forte, rico, bem-sucedido, viril e essa força dele, em contraste ao perambular incerto de Ariza pela vida que conquistam a mocinha. Sendo que no cinema, a atriz que faz Fermina Daza é delicada demais para viver uma das mulheres fortes criadas por GGM.

O filme não é todo ruim, tem momentos muito bons. Mas o livro é infinitamente superior.

Assista ao trailer de O amor nos tempos do cólera

3 pensamentos sobre ““O amor nos tempos do cólera”

  1. Pingback: Vida de GGM vira HQ e Record reeditará suas obras | Mar de Histórias

  2. O livro é muito bom, rico em descrições, em sentimentos, eu particularmente amo. O filme, usando uma expressão bem cara aos críticos, é meio novelão. Uma vez basta. Só espero que, depois de ser tão desancado pela crítica – não li as críticas, mas aposto que pegaram no pé no lance do idioma -, o mesmo diretor não cometa a blasfêmia de adaptar Cem anos de solidão. Tem certas coisas que ficam bem melhores no papel. Nem todo bom livro deve virar filme. Tenho essa teoria, algumas coisas só cabem no papel.

  3. Nem vi essa coisa. Na época a crítica DESTRUIU. Não sobrou pedra sobre pedra. Li o livro. Gosto, mas não amo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s