As mil e uma aventuras do príncipe Rajá – XII (final)

XII – A rainha prisioneira (final)

As ajudantes prometidas pelo conselheiro de Islamal chegaram no final da tarde ao quarto. Traziam água quente, sais de banho, pétalas de rosa, escovas de cabelo e de dentes, henna para pintar as mãos e os pés da rainha, khol para seus olhos e uma mistura carmim para os lábios. Numa caixa, que Isdora reconheceu como sendo a sua própria caixa de jóias, havia braceletes, tornozeleiras, anéis, brincos e colares de pedras preciosas.

A rainha olhava as criadas indo e vindo pelo quarto, abrindo espaço para preparar o seu banho. Ela não ofereceu resistência quando as mulheres a tiraram da cama, despiram suas roupas sujas e começaram a esfregar a pele, lavar seus cabelos com água de rosas. Também se comportou bem enquanto as criadas desembaraçavam os longos cabelos negros e refaziam as tranças, enfeitando-as com pedrinhas. Estendeu as mãos e os pés para a pintura de henna e deixou-se maquiar como uma boneca, sem reclamar, sem resistir.

No final, quando estava belíssima no vestido novo enviado pelo seu sequestrador, a rainha Isdora aguardou que a porta do seu quarto-prisão fosse aberta. E, quando isso aconteceu, ela correu. Correu como se tivesse asas nos pés, correu como se não fosse uma rainha, mas uma gazela fugindo de um tigre. Os guardas que foram mandados para levá-la até o jantar de comemoração corriam atrás da rainha, mas eram pesados, com armaduras de couro, capacetes, escudos e lanças. Isdora, em seu vestido leve e esvoaçante, pequena e magra, corria pelo palácio como um fantasma.

Conseguiu sair para um dos jardins. Misturou-se às flores e arbustos. Ficou escondida, arfando, recuperando o fôlego. A rainha conhecia cada um daqueles jardins, conhecia as propriedades de cada uma das plantas. As que curavam, as que matavam, as que lançavam quem as comesse em um sono eterno e uma plantinha em especial, capaz de transformar quem a comia em pedra. Recolheu um pedaço da planta venenosa para matar, um pedaço do seu antídoto para curar e uma muda inteira da que servia para transformar gente em pedra e guardou tudo sob as vestes.

Depois, calmamente, saiu do meio das flores e arbustos e, com passos decididos, caminhou até o grande salão real, onde sabia que Islamal a aguardava. A rainha tinha certeza de que os guardas e as criadas não comentariam com Islamal a sua desabalada carreira pelos jardins. Os próprios guardas, atônitos, não entendiam direito o que a rainha tinha ido fazer no meio das árvores. Se ela queria fugir, porque não correu para o portão?

Pensaram que Isdora tinha enlouquecido depois de meses trancada. Todos que trabalhavam para Islamal sabiam que seriam castigados se contassem a ele que por alguns minutos perderam a rainha num dos jardins e já que, a própria rainha agora caminhava calmamente em direção ao banquete, parecendo tão calma e tão resignada, resolveram esquecer o assunto. Quando a guerra começasse, os soldados iriam lamentar. Mas aí, seria tarde demais…

Continua no próximo post

…………………………………….
Leia os outros capítulos da história:

>>Capítulo I: A cidade de ouro e prata
>>Capítulo II: A vida doce dentro das muralhas
>>Capítulo III: Uma gaiola dourada e um passarinho triste
>>Capítulo IV: O sinistro mago Islamal
>>Capítulo V: O pedido de Rajá
>>Capítulo VI: O plano de Islamal
>>Capítulo VII: Aprendiz de hipnotizador
>>Entre capítulos: Carta de Rajá aos pais
>>Capítulo VIII: A Floresta Sem Fim
>>Capítulo IX: A língua universal
>>Capítulo X: A feiticeira da lua crescente
>>Capítulo XI: O rei destronado (parte 1)
>>Capítulo XI: O rei destronado (parte 2)
>>Capítulo XI: O rei destronado (final)
>>Capítulo XII: A rainha prisioneira
>>Capítulo XII: A rainha prisioneira (parte 2)
>>Capítulo XII: A rainha prisioneira (parte 3)

4 pensamentos sobre “As mil e uma aventuras do príncipe Rajá – XII (final)

  1. Pingback: As mil e uma aventuras do Príncipe Rajá – Mar de Histórias

  2. Pingback: As mil e uma aventuras do Príncipe Rajá -XIII (final) « Mar de Histórias

  3. Pingback: As mil e uma aventuras do príncipe Rajá - XIII (parte 2) « Mar de Histórias

  4. Pingback: As mil e uma aventuras do príncipe Rajá - XIII « Mar de Histórias

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s