As mil e uma aventuras do príncipe Rajá – IX

IX – A língua universal

O príncipe Rajá cansou de ver árvores, pedras, rios, riachos, córregos, insetos, mais pedras, mais árvores e nenhuma feiticeira. O menino havia perdido a conta dos dias em que andava pela Floresta Sem Fim com a jibóia Hamida sobre o ombro, procurando a Feiticeira da Lua Crescente. Sorte que ele agora entendia a língua da cobra. Do contrário, a solidão e o silêncio já o teriam feito desistir da viagem. Todas as pedras azuis do seu turbante haviam sido trocadas por água ou por animais que caçava para comer. Em breve, se não encontrasse a feiticeira, teria de trocar as pedrinhas que enfeitavam a faixa real presa à sua cintura.

Durante a jornada, Hamida contou para Rajá que todas as crianças nascem com a capacidade de entender a língua dos animais e das plantas. Elas também sabem falar com pedras, com a água dos rios, com a chuva e com a terra. Quando crescem, esquecem essa língua e os poucos que se recordam do idioma universal que une todas as criaturas, são considerados mágicos ou loucos. Na verdade, continuava Hamida, magos e feiticeiras são apenas adultos que cresceram por fora, mas continuaram crianças por dentro. Todas as crianças, dizia a jibóia, podem fazer magia, pelo simples fato de que as crianças acreditam que tudo é possível.

Rajá pensava nas lições de Hamida e sentia um aperto no coração. “Se tivesse me lembrado da língua universal antes, não precisaria aprender hipnotismo com tio Islamal e nem teria feito aquela poção tão forte, que deixou meus pais desacordados”. A culpa crescia dentro do menino como erva daninha. Embora uma parte do seu coração quisesse continuar acreditando em Islamal, uma outra, cada vez maior, dizia que o jovem príncipe tinha feito uma coisa muito errada confiando seu reino e seus pais adormecidos ao tio.

Muitas vezes ele pensou em desistir. Muitas outras vezes mudou de ideia e resolveu que continuar era necessário. Um pressentimento de que a Cidade de Ouro e Prata corria perigo rondava os pensamentos de Rajá. A certeza de que, quanto mais ele aprendesse sobre o mundo, mais fácil seria livrar seu palácio desse terrível perigo, o fazia continuar na busca pela feiticeira.

Cansado, depois de mais um longo dia de caminhada, com fome e de mau-humor, o menino tirou a cobra do ombro e sentou-se sob uma árvore. Na sua sacola havia um último pedaço da carne assada que sobrou da caçada do dia anterior. Rajá dividiu a carne em dois pedaços, um para ele e um para Hamida. A jibóia preferia carne fresca, mas como para cada bichinho que engolisse, seu dono teria de deixar uma pedrinha preciosa em troca, a cobra se contentava em comer pedaços da caça preparada por Rajá.

Os pés do príncipe estavam cheios de bolhas e cada vez que ele andava com seus sapatos de pontinhas viradas para cima, as bolhas estouravam e novas bolhas nasciam por cima da pele esfolada. O destemido Rajá, com o turbante sem pedrinhas, os pés mal-tratados e a barriga roncando de fome queria muito estar deitado em almofadas macias, com um braseiro quentinho sob um cobertor que lhe cobriria as pernas…

Continua no próximo post

…………………………………
Leia o começo da história:

>>Capítulo I: A cidade de ouro e prata
>>Capítulo II: A vida doce dentro das muralhas
>>Capítulo III: Uma gaiola dourada e um passarinho triste
>>Capítulo IV: O sinistro mago Islamal
>>Capítulo V: O pedido de Rajá
>>Capítulo VI: O plano de Islamal
>>Capítulo VII: Aprendiz de hipnotizador
Carta do príncipe Rajá aos pais
>>Capítulo VIII: A Floresta Sem Fim

Advertisement

11 pensamentos sobre “As mil e uma aventuras do príncipe Rajá – IX

  1. Pingback: As mil e uma aventuras do Príncipe Rajá – Mar de Histórias

  2. Pingback: As mil e uma aventuras do Príncipe Rajá -XIII (final) « Mar de Histórias

  3. Pingback: As mil e uma aventuras do príncipe Rajá - XIII (parte 2) « Mar de Histórias

  4. Pingback: As mil e uma aventuras do príncipe Rajá - XIII « Mar de Histórias

  5. Pingback: As mil e uma aventuras do príncipe Rajá - XII (final) « Mar de Histórias

  6. Pingback: As mil e uma aventuras do príncipe Rajá - XII (parte 3) « Mar de Histórias

  7. Pingback: As mil e uma aventuras do príncipe Rajá - XII (parte 2) « Mar de Histórias

  8. Pingback: As mil e uma aventuras do príncipe Rajá - XII « Mar de Histórias

  9. Pingback: As mil e uma aventuras do príncipe Rajá - XI (final) « Mar de Histórias

  10. Pingback: As mil e uma aventuras do príncipe Rajá - XI (continuação) « Mar de Histórias

  11. Pingback: As mil e uma aventuras do príncipe Rajá - XI « Mar de Histórias

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s