Cotidiano

Rua 25 de março – deliciosa sucursal do inferno

Da série, Migrações

Atrás da palavra mágica promoção e das correlatas preço baixo, desconto e leve cinco e pague quatro, fui esbarrar na babel paulista, na sucursal mais assustadora e deliciosa do inferno, a rua 25 de março, em julho do ano passado. Uma amiga chegou a compará-la ao Carnaval de Salvador, em termos de concentração de gente por metro quadrado, guardadas as devidas proporções.

Do ponto de vista de quem gosta de comprar, seja compulsivamente ou em doses homeopáticas, pechinchando, avaliando ou garimpando, a rua oferece tudo o que se possa imaginar. De quinquilharias inúteis como o tal do massageador à pilha para as costas (juro que estive a ponto de matar um dos vendedores que a cada cinco metros apareciam oferecendo a porcaria do massageador), até bolsas, sapatos, roupas, brinquedos (item essencial), maquiagem, perfumes falsos e verdadeiros, meias, santos, bijuterias (aaaah, os anéis!!)…

Do ponto de vista de alguém que não gosta de multidão e já se sente mal se tem mais de cinco pessoas concentradas no mesmo espaço, me perguntei centenas de vezes o que eu, justo eu, que tanto me orgulhado da minha paixão pela solidão e pelo silêncio, fui fazer na 25! Gastar dinheiro, seria a resposta número um, sem dúvida. E saciar a curiosidade mórbida que leva um ser humano aparentemente normal a testar seus limites de tolerância se jogando em situações que seu lado racional, aquele que geralmente guarda nossas manias e resistências, condena com ênfase.

Se disser que gostei de caminhar pelo meio da multidão me sentindo figurante de um filme gravado em Marrakesh ou num mercado persa perdido no tempo, minto descaradamente. Eu odiei cada minuto passado naquela rua e não pretendo repetir a experiência de voltar lá agora que saciei a minha curiosidade.

Mas, se disser que não gostei de ver tanto colorido, tanta vida frenética, pessoas apressadas, com o tempo contado entre comprar e embarcar, arrastando malas e sacolas tamanho família de loja em loja, de banca em banca, estarei mentindo igualmente. Em termos de diversidade de produtos, a rua 25 de março é um deleite. E fiz compras, não vou dizer que estava lá como observadora, porque não estava, uma vez que me meti no meio da multidão, fiz valer meu ingresso e comprei umas coisinhas.

Sem dúvida, a visita rende mais que um post, um tratado antropológico tanto sobre os vendedores e suas histórias, quanto uma análise do consumismo moderno levado às últimas consequências…

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s