Dicas de leitura, Literatura

Dica de leitura: Belas Maldições

belas-maldicoesUm anjo e um demônio perderam o anticristo na maternidade. As consequências do descuido e a ideia da criança concebida para levar o mundo à perdição, crescendo por aí sozinha, sem sofrer as boas e nem as más influências, são o mote usado pelos escritores britânicos Neil Gaiman e Terry Pratchett para contar uma versão hilária e muito particular do apocalipse, no livro Belas Maldições.

Aziraphale (o anjo) e Crowley (a serpente do paraíso) estão na terra há seis mil anos e não gostam muito da ideia de vê-la destruída. Os dois tenentes, de céu e inferno, precisam garantir que o plano divino e inefável se realize: que este mundo vire cinzas e dele um outro novinho renasça. O problema é decidir quem vai mandar no novo mundo, se o exército do céu ou se os comandados do inferno. Outro problema: nem o anjo e nem o demônio que tentou Eva querem um mundo diferente deste onde vivem há tantos milênios. Não é que eles não queiram obedecer seus superiores (inferiores no caso de Crowley), mas eles se apegaram ao mundo e às pessoas.

A missão era muito simples, pegar o filho de Satã e trocá-lo de lugar com o recém-nascido de um embaixador americano. O anticristo tinha de ser criado nos EUA – está aí uma coisa que acho perfeita: em filmes sombrios como A Profecia ou em histórias bem-humoradas como Belas Maldições, o filho do Demo tem de ser sempre criado como americano. Sinal de que o senso comum mundial (e não é pouca coisa) acredita piamente que todo mal vem sempre de lá. Hummm… nem todo mal, já existiram vozes dissidentes. Basta uma rápida olhada na história e salvam-se as almas de escritores, revolucionários, cantores, diretores de cinema, atores… Essa boa gente  – e a lista vai depender do gosto de cada um -, salva a América de ser um colapso completo de banqueiros e senhores da guerra.

Voltando ao livro, não terá a mesma graça contar o que acontece com esse anticristo criado longe das hostes celestiais e infernais. Sabe-se lá que tipo de coisas uma criança com super poderes pode aprender sendo criada longe dos padrinhos divinos ou satânicos e totalmente entregue nas mãos da humanidade! Um dos momentos mais interessantes do livro, que mistura história, cotidiano e cultura contemporânea, é quando o demônio Crowley (fascinado em colecionar carros antigos) conversa com o anjo Aziraphale (colecionador de livros raros) e diz que nem o príncipe das trevas seria capaz de conceber algo como a bomba atômica ou a inquisição, maldades totalmente humanas. “Em matéria de maldades, humanos dão de dez a zero no Capeta”.

Vale a pena ler e descobrir que o armagedon está a um passo de cada um de nós, isso eu garanto. Também não vou dizer se o apocalipse acontece exatamente da forma como foi planejado, até porque, quem sou eu para dar pitaco nos planos inefáveis?

Anúncios

1 thought on “Dica de leitura: Belas Maldições”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s