A deliciosa história do chocolate

chocolateGosta de chocolates? Não vale dizer que engorda. Já sabemos disso. Sugiro que antes de continuar lendo este post você esqueça que chocolates engordam. Não precisa sair correndo para comprar duas dúzias de bombons e devorar todos de uma vez, mas com certeza, após a nossa viagem pela deliciosa história do chocolate, vai querer comer ao menos um tablete pequenininho. Não fique tímida, ou tímido, vá em frente, abra o bombom enquanto lê o texto, nem espere chegar ao final. Aproveita o clima de Páscoa! Cuidado para não lambuzar o teclado, porque chocolate gostoso mesmo, é aquele comido meio derretido, na maior bagunça. Uma barra pequena por dia (e como pequena entenda que falo daquelas de 70 gramas), é ótima fonte de energia, potássio, magnésio, cálcio e vitaminas do complexo B, sem falar em seratonina, um dos hormônios da felicidade.

chocolate-2Você sabia que durante a I Guerra Mundial (1914-1918) os soldados levavam para o front uma barra de chocolates junto com a ração de emergência? Pois levavam. O problema é que o cheiro do chocolate era tão gostoso, derretendo na mochila, que a guloseima era devorada antes mesmo de haver uma situação de emergência. Como a humanidade, na maioria dos casos, aprende com os próprios erros, na II Guerra (1939 – 1945), um cientista chamado Paul Logan inventou a ração D (mistura de chocolate, açúcar, leite desnatado, manteiga de cacau, aveia, vitamina B1, vanilina e um ingrediente secreto de sabor desagradável), assim, os soldados aguentariam guardar a ração de emergência para situações realmente emergenciais.

INVENÇÃO DOS DEUSES

Montezuma bebia chocolate para aumentar potência sexual

Montezuma bebia chocolate para aumentar potência sexual

Os maias e os astecas acreditavam que o chocolate era um presente do céu. Pela lenda asteca, Quetzalcoatl, o deus que personificava a sabedoria e era representado como uma serpente emplumada, presenteou seu povo com sementes de cacau e ensinou o preparo de uma bebida sagrada que dava muita força aos guerreiros. Montezuma, o última imperador asteca antes da conquista espanhola, apreciava a bebida e acreditava que ela era afrodisíaca. Bebia dezenas de canecas de chocolate diariamente para dar conta das dúzias de esposas que mantinha em seu palácio. O nome chocolate porém, não vem de Quetzalcoatl, mas da palavra maia Tchocolat. Os maias cultivavam o cacau e sabiam extrair das suas sementes uma bebida energizante feita a partir de uma mistura com pimenta e milho fermentado.

OS SUÍÇOS ADOÇAM O CHOCOLATE

Delícia crocante do Willy Wonka. E ainda tem o cupom premiado!

Delícia crocante do Willy Wonka. E ainda tem o cupom premiado!

Até o século XIX, o chocolate só era consumido na sua forma líquida. Após a conquista do império asteca, além de todo o ouro e prata que saqueou daquele povo, Fernán Cortéz levou para a Europa sementes de cacau. De uma bebida para dar potência sexual ao imperador indigena, o chocolate passou a ser iguaria da mesa de reis e rainhas na corte espanhola e em outros reinos europeus. Quando se casou com Luis XIII, na França, Ana da Áustria levou no enxoval os utensilios de cozinha necessários à preparação da bebida energética para o marido. O sabor do chocolate nessa época não era parecido com o que conhecemos hoje. Chocolate ao leite, só a partir de 1875, quando dois suiços criaram a Nestlé e os chocolates em barra.

SERATONINA, PARA QUE TE QUERO?

tpmO escritor Moris West, autor de best sellers como As Sandálias do Pescador e A Última Confissão, escreve num trecho do seu romance, O Advogado do Diabo, que estar apaixonado equivale a comer uma caixa inteira de chocolates. Ele está parcialmente certo, pois substâncias presentes no chocolate como a cafeína, seratonina e a fenil-etilamina são estimulantes, mas também ajudam a dar aquela sensação gostosa de languidez e felicidade. O bem-estar que você sente quando come a guloseima não é mito e nem imaginação. De fato, o chocolate tem o poder de nos deixar mais animados. Inclusive, já repararam que certas mulheres quando estão na TPM comem mais chocolates do que quando não estão no período menstrual? Isso se deve ao fato de precisarmos de mais gordura e açúcar que os homens. Entendam que é gordura como fonte de energia nutricional para as células meninas e não para se acumular em forma de celulite! Além disso, durante esse período temos necessidade de repor os estoques de magnésio do organismo.

CHOCOLATE EM PROSA E PELÍCULA

Confiram uma listinha de filmes e livros que tem o chocolate como protagonista ou, no mínimo, um coadjuvante que rouba a cena.

Filmes:

>>Chocolate (Lasse Hallström, 2000)
>>Como água para chocolate (Alfonso Arau, 2001)
>>A Fantástica Fábrica de Chocolates (Tim Burton, 2005 e David L. Wolper, 1971)

Livros:

>>Larousse do Chocolate (Editora Larousse do Brasil)
>>Charlie e a fábrica de chocolates (Roald Dawl – livro que inspirou as duas versões de A Fantástica Fábrica de Chocolates)
>>Chocolate: uma Saga Agridoce Preta e Branca (Mort Rosenblum, conta a história da descoberta do chocolate pelos europeus durante a destruição do império asteca)
>>Chocolate (Joanne Harris, livro que inspirou o filme de Lasse Hallström)
>>O clube dos anjos (Luis Fernando Veríssimo)

Um pensamento sobre “A deliciosa história do chocolate

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s